Arquivo/Hoje em Dia
Cruzeiro libertadores Sporting
Cruzeiro 1 x 0 Sporting Cristal: a festa nas arquibancadas do Mineirão

Com a classificação garantida no Chile, o Cruzeiro chegava a uma final de Libertadores, após 20 anos, quando perdeu o título na decisão por tiros livres para o Boca Juniors, da Argentina, após um empate sem gols na terceira partida, disputada em campo neutro, em Montevidéu, no Uruguai.

O encontro decisivo da Libertadores de 1997 reuniu os dois times mais surpreendentes da competição. O Sporting Cristal, que se classificou como terceiro colocado do Grupo 4, da primeira fase, tornou-se a grande zebra da Taça. Os cervezeros eliminaram os argentinos Velez Sarsfield, nas oitavas de final e o Racing, na semifinal, vencendo ambos dentro de Buenos Aires. Por outro lado, o Cruzeiro chegava a uma decisão com uma das campanhas mais irregulares da história da Taça, com um total de seis derrotas. Nunca um finalista havia perdido tantos jogos.

A base do time peruano jogava junto desde 1994 e eram os atuais tricampeões peruanos. Até os dias atuais o time de 1997 é considerado como o melhor da história do Cristal e a maioria dos jogadores que formaram aquele plantel estão na galeria dos maiores ídolos do clube cervezero.

O primeiro jogo da decisão aconteceu em Lima, no Peru, onde o Sporting Cristal não sofria uma derrota há quatro anos pela Libertadores. A partida foi marcada pelo equilíbrio e a forte marcação imprimida pelas equipes. Com poucas chances de gol, o jogo terminou com o placar zerado.

No jogo da volta, mais de 100 mil cruzeirenses lotaram o Mineirão com a confiança de que o time venceria facilmente os peruanos. A partida marcou as despedidas do treinador Paulo Autuori que entregou o cargo por causa das mesmas pressões internas que derrubaram o seu antecessor Oscar. Foi também a última partida do armador Palhinha, que havia sido negociado ao futebol espanhol.

Apesar da pouca tradição do adversário, o Cruzeiro quase foi surpreendido. Aos 20 minutos do segundo tempo Donizete comete falta em Alfredo Carmona na intermediária. Na cobrança forte e rasteira de Nolberto Solano, Dida foi no canto esquerdo e fez a defesa, Julinho entrou rápido na área e apanhou o rebote com um chute cruzado, mas Dida defendeu com o pé direito.

Dez minutos após o susto, o Cruzeiro chegou ao gol da vitória. E foi com um tento surpreedente, como foi a característica de toda a campanha do título. Numa cobrança de escanteio de Nonato, a defesa do Cristal rebateu para fora da área. O canhoto Elivelton, que foi escalado na vaga de Cleison, que havia sido expulso no primeiro jogo da decisão, apanhou o rebote, de pé direito e o goleiro Julio Cesar Balerio aceitou. A bola passou por baixo do corpo do camisa 1 e entrou no canto direito. Foi o único gol do Cruzeiro marcado num chute de fora da área em toda a campanha. Após a partida, as ruas da capital e das cidades do interior foram tomadas pelos cruzeirenses que comemoraram um título dado como perdido e que entrou para a história das conquistas surpreendentes do clube estrelado.