Renato Cobucci/Arquivo
goleiro Bruno Fernandes de Souza
O goleiro Bruno sentado no banco dos réus pela morte de Eliza

A defesa do ex-goleiro Bruno Fernandes de Souza classificou como "absurda e injustificável" a decisão da juíza Marixa Fabiane Rodrigues, que negou que a testemunha que denunciou a suposta morte da modelo Eliza Samudio fosse ouvida por videoconferência. Com o indeferimento da magistrada, Jorge Luiz Rosa, que na época do desaparecimento da ex-amante do atleta era menor, não participará do julgamento que começa na segunda-feira (19).

Jorge foi quem denunciou, em 2010, que Eliza Samudio havia sido assassinada pelo ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o "Bola", a mando do goleiro. O pedido para que ele participasse do julgamento por videoconferência tinha sido feito pelo promotor de Justiça de Contagem, Henry Wagner Vasconcelos de Castro.
 
"É injustificável qualquer argumento para não ouvi-lo. Ele é a principal testemunha do caso. Se ele negar o crime, todos os réus vão ser absolvidos", disse o advogado Rui Pimenta. Segundo o defensor de Bruno, a juíza alegou que havia dificuldade para que a testemunha fosse ouvida por videoconferência.
 
Mesmo com o indeferimento, Rui Pimenta disse que está confiante que seu cliente será absolvido. Além de Bruno, outros quatro réus serão julgados, no Tribunal de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, pela suposta morte de Eliza Samudio,
 
Caso Bruno
 
O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o "Bola" é acusado de matar a ex-amante do goleiro Bruno a pedido do atleta. Os dois, além de Luiz Henrique Ferreira Romão, o "Macarrão", respondem pelos crimes de homicídio triplamente qualificado, sequestro, cárcere privado e ocultação de cadáver. Bola está preso no presídio de São Joaquim de Bicas, na Grande BH, desde 2010.O júri popular do processo que apura a morte de Eliza Samudio foi marcado para o dia 19 de novembro em júri popular também no Fórum de Contagem.
 
Dayanne Rodrigues do Carmo Souza, na época mulher do atleta; Wemerson Marques de Souza, o "Coxinha"; Elenílson Vítor da Silva, e Fernanda Gomes de Castro, ex-namorada do jogador, respondem pelos crimes de sequestro e cárcere privado.
 
Eliza Samudio está desaparecida desde o dia 4 de junho de 2010, quando fez um último contato telefônico com uma amiga. Segundo a polícia, ela foi morta e teve seu corpo esquartejado. No entanto, os restos mortais da ex-modelo não foram localizados até hoje.