RENATO COBUCCI
Prostituição de luxo
Clientes são executivos que vêm à capital a negócios, políticos, autoridades e jogadores

Cabelos lisos na altura dos ombros, boca carnuda e pernas torneadas. As bijuterias são finas e o perfume, importado. Maquiagem leve e roupa discretamente provocante. Jovens na faixa dos 20 aos 35 anos que poderiam passar por modelos ou cobiçadas namoradas exercem em hotéis de luxo na zona Sul de Belo Horizonte a mais antiga profissão do mundo: prostituta.

Sem qualquer traço de vulgaridade, com uma aparência que passa longe do visual manjado de “periguete”, elas fazem parte de uma rede de comércio do prazer que atende a uma clientela seleta, formada por executivos, empresários, delegados de polícia e jogadores de futebol. Homens dispostos a pagar, em média, R$ 400 por duas horas de programa.

A equipe do Hoje em Dia esteve em seis sofisticados hotéis de BH, nas imediações da Savassi, da Assembleia Legislativa e do Belvedere. Apesar da peculiaridade de cada um, em todos é possível obter o “serviço”, acertado no scotch bar, por meio de catálogos ou com um simples telefonema – feito, na maioria das vezes, pelo próprio recepcionista do estabelecimento.


Perto do poder

Na avenida Brasil, a um quarteirão do Palácio da Liberdade, local que durante anos abrigou a sede do governo do Estado, o porão de um hotel foi transformado em scotch bar.

Na voz e no violão, o solitário cantor interpreta o melhor da Música Popular Brasileira (MPB). À meia-luz, no ambiente aconchegante e refinado, dezenas de prostitutas ficam à espera de um programa.

Não há manifestações explícitas de carinho e as mulheres aguardam o convite para sentar à mesa do interessado. O encontro, também chamado de “presente” pelas meninas, pode ocorrer nas suítes ou em motéis conveniados com as prostitutas. Nesse caso, o cliente passa o cartão bancário na máquina do estabelecimento, que depois reembolsa a acompanhante de luxo.


Sem pechincha

O valor médio de R$ 400 pode ser negociado. Porém, a maioria dos clientes, devido ao alto poder aquisitivo, quase nunca barganha, dizem as mulheres. Segundo uma garota, o bar é frequentado por homens “maduros”, com idade acima de 35 anos.

 

Prostituição BH
Ambiente aconchegante e refinado, o melhor da MPB e prostitutas à espera de um programa (Foto: Renato Fonseca)

 

“Políticos e delegados de renome da capital, que toda hora aparecem na televisão, são assíduos. Sem contar os jogadores de futebol”, diz.

Ela afirma que até a modelo Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno, desaparecida há mais de dois anos, fez ponto ali. “A Bruna Surfistinha também passou uns dias por aqui. Nessa época, um jogador mineiro que hoje brilha no futebol carioca não saía do scotch bar”.


Escolha pelo "cardápio" e drogas à vontade

Discreto como as mulheres, o “catálogo” com as prostitutas “à disposição” é mais uma forma de aguçar a fantasia dos clientes.

Chamado de book, o caderninho mede pouco mais de um palmo e traz informações picantes sobre as garotas. Junto às fotos, constam “qualificações” como “massagista liberal” e “especialista em oral”.

O catálogo é feito em papel cuchê, um tipo de folha especial, própria para impressão em gráfica. O material é brilhante e as fotos parecem tiradas em estúdio. O nome e a suposta idade da profissional também são informados.

Para quem gosta de sexo com drogas, é possível conseguir maconha in natura e até o baseado pronto. Em meio à conversa ao pé do ouvido, a prostituta oferece mais essas “facilidades” ao cliente.

“Transar fumando um, com a cabeça feita, é sempre bom, não é mesmo?”, brinca uma das meninas.

A relação comercial entre as prostitutas, os hotéis e os clientes ocorre sem sigilo. Leitos e máquinas de cartão de crédito ficam à disposição para que os programas aconteçam sem maiores dificuldades.


Encargos

Fica evidente que o cliente paga pelos serviços sexuais e pelo aluguel do quarto. Já a prostituta repassa um valor ao estabelecimento, a título de “comissão”. Questionada se há exploração pelos hotéis, a profissional do sexo desconversou.

A sobretaxa não fica só por conta do local da hospedagem. Taxistas exclusivos se encarregam de transportar as prostitutas. Alguns também aceitam receber, além da corrida, o valor do programa, por meio de cartão de crédito. Mas descontam parte do dinheiro a ser repassado às garotas.

Quer ler esta notícia na íntegra? Acesse nossa Edição Digital!