Seds/Divulgação
Maníaco de Juatuba
Maníaco era acusado de matar ao menos nove pessoas

Um homem que ficou conhecido no mundo do crime como "Maníaco de Juatuba" foi encontrado morto em plantação de eucalipto de Divinésia, na Zona da Mata mineira.
 
O corpo de Arilson Moreira de Barros, de 31 anos, foi achado após registro de denúncia anônima e a 300 metros da estrada de terra que liga a cidade ao distrito de Ubari, na quinta-feira (5).
 
De acordo com a Polícia Militar do município, o "Maníaco de Juatuba" foi assassinado com quatro tiros na região do peito e cabeça  e o cadáver estava em avançado estado de decomposição.
 
Segundo os policiais, na hora em que foi morto, Arilson estava com R$ 600, 24 cartuchos de calibres 380 e 38 e uma carteira de habilitação nos bolsos.
 
O autor do homicídio ainda é desconhecido e será investigado pela Polícia Civil.
 
Depois do trabalho da perícia, o corpo do maníaco foi encaminhado ao Instituto Médico-Legal (IML) de Ubá, também na Zona da Mata.
 
Antecedentes criminais
 
Arílson Moreira de Barros era acusado de matar o pai, a mãe, o sobrinho, outras duas pessoas em Ubá, além de uma família formada por um casal e duas crianças, em Juatuba, na Grande BH. Arílson também era o principal suspeito de ter estuprado a ex-esposa.
 
No dia 3 de agosto deste ano, o "Maníaco de Juatuba" fugiu do presídio de Ubá, onde cumpria prisão preventiva desde 2011.
 
Na data da fuga, a Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi) informou que o criminoso fugiu por "abuso de confiança" e enquanto fazia a entrega de marmitas dentro da cadeia.