Leonardo Morais/Hoje em Dia
Manifestação reúne 3 mil pessoas em Valadares
Ato que reuniu cerca de três mil pessoas foi pacífico

GOVERNADOR VALADARES – Após duas semanas de protestos que começaram por São Paulo e se espalharam pelo país, Governador Valadares, no Leste do Estado, também aderiu ao movimento. Neste sábado, cerca de três mil pessoas, de acordo com cálculos da Polícia Militar, foram para as ruas. Com rostos pintados, cartazes e faixas nas mãos, distribuíram rosas e pediram paz.

Os valadarenses têm motivos diferentes, muito além dos R$ 0,20 que foram o estopim dos protestos: a violência e extermínio de jovens que coloca a cidade como a segunda no ranking nacional; o monopólio de 20 anos da Empresa Valadarense de Transportes Coletivos, - a passagem é R$ 2,20; reajustes da água, taxa de lixo e IPTU e a notícia de que a duplicação da BR-381 não chegará até Valadares.

Para chamar a atenção dos governos, depois de percorrer ruas do Centro e cantar o Hino Nacional em frente ao prédio da Prefeitura e Câmara, os manifestantes interditaram por três horas a BR-116, nas imediações da ponte sobre o Rio Doce, no Bairro São Raimundo. Eles também pediram que a ponte seja duplicada. A Polícia Rodoviária Federal calculou engarrafamento de cerca de 60 quilômetros, nos dois sentidos.

“A rodovia liga o Rio de Janeiro à Bahia e tem tráfego intenso, também dos mais de 20 mil moradores que ficam deste lado da cidade. A ponte é estreita e se uma carroça entra nela, a situação fica complicada. Trava tudo”, explica Adriano Campos, de 42 anos. Um dos líderes da manifestação, o estudante de Direito Leo Nascimento, de 28 anos de idade, avaliou o protesto como positivo. 
 

Protesto em Governador Valadares reúne três mil pessoas


Os organizadores calculam a participação de cerca de 15 mil pessoas. “Demos o nosso recado. O brasileiro acordou e com o valadarense não foi diferente. Vamos ser ouvidos. O copo de água estava cheio e transbordou. Queremos mais saúde, educação e menos corrupção neste país”. Ex-emigrantes também deram o seu recado. “Preferimos mudar o Brasil que mudar de país”, dizia um dos cartazes. 

A manifestação começou às 9 horas e por volta das 15 horas perdeu força, sendo encerrada mais tarde sem ocorrência de vandalismo.