Facebook/Reprodução
Cecília Bizzotto

Foi sob calorosos aplausos que a atriz Cecília Bizzotto, de 32 anos, foi enterrada na tarde desta segunda-feira (8) no cemitério do Bonfim, região Noroeste de Belo Horizonte. A salva de palmas que outrora era dada para agradecer o ato de cada peça, agora homenageava a artista, em meio a um sentimento de revolta e comoção por um desfecho trágico ocorrido na madrugada do último domingo (7), quando ela foi assassinada dentro de sua casa. Entre os presentes no sepultamento estavam o candidato derrotado à prefeitura de Belo Horizonte, Patrus Ananias, o presidente do Atlético, Alexandre Kalil, além de membros de grupos teatrais. Eles levaram o conforto à dezenas de familiares e amigos, que deram o último adeus à Ciça, apelido pelo qual era conhecida. 

Foi em silêncio que chegaram o pai, Jefferson Pinto, a mãe, Cláudia Bizzotto, a irmã, Patrícia Bizzotto, o irmão, Marcelo Bizzotto Pinto, e o filho da atriz, de 12 anos. Eles vieram de Paris (FRA), onde estavam passeando. Emocionada, Cláudia não quis dar entrevistas e apenas preferiu deixar suas últimas palavras na hora do sepultamento. “Quero justiça e quero que ela seja mais um exemplo de protesto contra a violência. Ela era uma filha exemplar, nunca me deu problema. Apenas queria agradecer o tempo que vivemos juntas. Lamento que por causa de dois celulares perdemos uma filha”, afirmou.

Cecília Bizotto

Foi sob emoção que parentes e amigos acompanharam o enterro (Foto: Lucas Prates)

Marcelo Bizzotto, irmão da atriz que a acompanhava durante o trágico desfecho do último domingo, esteve com policiais civis logo após o sepultamento. Ainda no local, ele observou a foto de três suspeitos que lhe foi apresentada pelos oficiais. Entretanto, a corporação não quis informar se houve reconhecimento dos possíveis assassinos. 

Vida cultural

Cecília era atriz e já participou de várias intervenções culturais em Belo Horizonte. Uma das montagens mais recentes foi Rei Lear, da Companhia Lúdica dos Atores. Segundo a amiga, a atriz Dayse Belico, Cecília estava trabalhando na campanha do Patrus. As duas fizeram parte da primeira turma do curso de Artes Cênicas da Universidade Federal de Minas Gerais. “Ciça fez mestrado na Inglaterra, era engajada e sempre indignada com a vida. Tão indignada que morreu ao tentar avisar a polícia sobre o assalto. Era uma pessoa maravilhosa, sempre sorrindo”, disse Dayse.

O grupo Galpão divulgou nota de pesar lamentando a morte da atriz mineira:
 
"O Galpão manifesta sua solidariedade aos amigos e parentes de Cecília Bizzotto, jovem artista do teatro mineiro, querida de todos que tiveram o privilégio de conhecê-la. Compartilhamos a indignação perante ao ocorrido, desejando o fim da brutal e estúpida violência que nos atinge com tamanha crueldade. Que possamos nós todos viver em paz, e que em paz esteja Ciça."
 
Relembre o crime
 
Cecília morreu após ser baleada em um assalto dentro de casa, na madrugada de domingo (7), no bairro Santa Lúcia, na região Centro-Sul da capital mineira. Segundo a polícia, ela estava chegando na residência, acompanhada do irmão e da cunhada, quando três assaltantes armados abordaram a família.
 
As três vítimas foram rendidas e obrigadas a entregar pertences pessoais, como computadores, dinheiro, aparelhos eletrônicos dentre outros objetos de valor. Cecília teria dito aos bandidos que eles não guardavam dinheiro em casa.
 
Os assaltantes perguntaram sobre um cômodo fechado, mais afastado do resto da casa, e a jovem disse que era um quarto alugado. Ela foi obrigada a ir até lá com os bandidos. Segundo os policiais, tudo indica que Cecília tentou acionar o 190 pelo celular. Ao perceber a ação, um dos suspeitos atirou contra ela, que não resistiu aos ferimentos e faleceu no local. O corpo foi encontrado em um sofá com um tiro no peito e uma marca na testa, possivelmente provocado por uma coronhada. Os bandidos conseguiram fugir e até o momento ninguém foi encontrado.