Valter Campanato/Abr
Ronaldo

O polêmico vídeo gravado por Ronaldo "Fenômeno", em 2011, onde o ex-jogador afirma que “sem estádio não se faz Copa” e que "não se faz copa com hospitais" voltou a repercutir nas redes nas redes sociais nessa semana.

Em resposta ao vídeo que foi visto por mais de 2,4 milhões de vezes e gerou indignação em milhares de brasileiros, em meio a onda de manifestações que acontecem no país, recebeu uma resposta comovente de um pai de família em forma de vídeo postado no Youtube nesta quinta-feira (19).

Com mais de 41 mil visualizações, a gravação produzida por Alex Ribeiro conta o drama de sua filha Esther, de 7 anos, que sofreu várias sequelas devido ao mau atendimento que recebeu nos hospitais públicos enquanto estava doente.

Confira o vídeo da resposta ao "Fenômeno":

 

A menina aparece no vídeo ao lado de seu pai, que comenta aflito as declarações do "Fenômeno". “Minha filha não enxerga, minha filha não anda e minha filha não fala. É por isso que nós estamos na rua Ronaldo, não é por causa de R$ 0,20. É porque famílias estão sendo mutiladas”, afirma o morador do Rio de Janeiro.

Apesar de toda indignação, Alex Ribeiro disse ainda que admira Ronaldo enquanto jogador e que espera uma resposta de atitude de "Fenômeno". “Eu conto com você para que você possa mudar o seu discurso e lembrar que você também é um cidadão brasileiro antes de ser um jogador de futebol”, concluiu.

Veja vídeo polêmico de Ronaldo

 

Ronaldo já havia explicado declaração

Utilizando o Twitter, o ex-jogador admitiu, no dia 19 de junho, "não ter se expressado bem", mas reiterou seu apoio à Copa no Brasil e também endossou as manifestações que estão ocorrendo nas principais cidades do país.

Leia a resposta completa de Ronaldo no Twitter:

"Um pessoal postou um video editado com declarações minhas sobre a Copa de dois anos atras. Posso de fato não ter me expressado tao bem e a edição que eu vi na internet é bastante tendenciosa. Era outro contexto. Não é justo usar como se fosse dito essa semana. A Copa é uma incrível oportunidade para o Brasil. Chance de atrair atenção, investimento, turismo e mais mil coisas. Mas isso não obriga a deixar de investir em questões sociais prioritárias como saúde, educação, transporte, segurança e etc. Afinal, não temos Copa do Mundo desde 1950 e não foi por isso que atingimos excelência em nenhuma dessas causas. São 63 anos sem a Copa e não se viu bilhões destinados às questões sociais. Duvido que nosso país estaria uma vírgula melhor se não tivesse escolhido fazer o Mundial de 14. Não sou responsável pela administração do dinheiro público e repudio a corrupção. Tenho sentido orgulho de ver os protestos pacíficos e democráticos pelo país, espero que se espalhem cobrando, todos os anos, a melhor gestão do gasto público."