Todas as oito escolas de samba do grupo especial do Carnaval de Manaus foram declaradas campeãs nesta segunda-feira (3). A decisão, inédita, ocorreu após as agremiações entrarem em acordo e descartarem as notas dos jurados que serão divulgadas hoje. 

Elas alegaram problemas, como a chuva que caiu durante o desfile de sábado, e dificuldades encontradas durante a preparação para o evento. Entre as dificuldades estão as fiscalizações feitas pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) das condições de trabalho no galpões das escolas e a demora de algumas agremiações em conseguir o patrocínio do governo do Estado e da Prefeitura de Manaus. 
 
Cada escola do grupo especial recebe R$ 270 mil do governo amazonense e R$ 135 mil da prefeitura, mas desta vez elas foram obrigadas a se inscrever em um edital de patrocínio - recomendação do Tribunal de Contas do Estado. 
 
Organização 
 
"Nós ainda não temos um Carnaval de profissional, do ponto de vista da gestão", diz Robério Braga, secretário estadual de Cultura. "Do ponto de vista artístico estamos muito evoluídos, mas a gestão interna ainda está crescendo", afirma o secretário. "Para se ter uma ideia, o governo teve de prorrogar seis vezes o edital [para que todas as escolas conseguissem receber o patrocínio]." 
 
"Eles alegaram que a chuva ia prejudicar a avaliação dos jurados", diz Lúcia Carla Gama, secretária estadual de Comunicação. "Foi uma chuva grande, torrencial, durante o desfile, mas não dá para dizer que é a maior surpresa do mundo." 
 
A reportagem não conseguiu entrar em contato com a comissão executiva do Carnaval de Manaus nem com os responsáveis pelas oito escolas de samba do grupo especial. 
Carnaval 2014 
 
Com a decisão, as escolas Andanças de Cigano, Unidos do Alvorada, Grande Família, Balaku Blaku, Mocidade Independente de Aparecida, Reino Unido da Liberdade, Sem Compromisso e Vitória Régia são as campeãs de 2014 - e nenhuma agremiação foi rebaixada. 
 
Com o acesso da Império da Kamélia, nove escolas desfilarão no grupo especial no próximo ano.