Representantes de quase 70 países se reuniram nesta sexta-feira (30) em Tóquio, no Japão, para discutir sanções ao governo do presidente da Síria, Bashar Assad. Eles condenaram a deterioração da situação humanitária no país, mas também começaram a estudar meios de ajudar o país a se recuperar no futuro, quando Assad não estiver mais no poder.

A coalizão "Amigos do Povo Sírio", que inclui os Estados Unidos, a União Europeia e a Liga Árabe, manteve sanções como o congelamento dos bens do presidente e de outros líderes do governo, além do embargo na venda de petróleo e armas para a Síria. Na reunião desta sexta, não foi decidida nenhuma sanção nova.

O grupo já havia se encontrado em outras cinco ocasiões. A reunião anterior, ocorrida em setembro, foi organizada depois do fracasso do Conselho de Segurança da ONU em produzir uma resolução para condenar o regime sírio, devido à oposição da Rússia e da China.
As informações são da Associated Press.