James Tavares/Secom-SC
Explosão de fábrica de fertilizantes em São Francisco do Sul - James Tavares/Secom-SC
A fumaça saída da fábrica em São Francisco do Sul (SC) pode atingir cidades do sul de São Paulo

O governador  de Santa Catarina, Raimundo Colombo decretou, na tarde desta quarta-feira, 25, situação de emergência em São Francisco do Sul, em função do acidente com a carga de fertilizante à base de nitrato de amônio. A orientação da Gerência de Produtos Perigosos da Defesa Civil é para que as pessoas se mantenham distantes da área no raio de um quilômetro, pelo menos.

Como a fumaça produzida por essa combustão química tem como características cor branca e alaranjada e a fumaça é espessa pode-se identificar as maiores áreas de risco.

Moradores de São Francisco do Sul (SC) tiveram que deixar as casas às pressas durante a madrugada.
"Assim que saímos a fumaça tomou conta da rua. Eles [Defesa Civil] falaram que era para sair que tinha fumaça tóxica. Nem fiz pergunta, só sai do jeito de estava", disse a dona de casa Luana Nascimento, 27. A fumaça, que cobriu seis bairros da cidade.

No começo da madrugada, cerca de 200 pessoas estavam acomodadas em centros de triagem montados pelas prefeituras em duas escolas. "Colocamos a escola à disposição dos bombeiros para abrigar as pessoas. Várias pessoas chegaram aqui tossindo muito e foram encaminhadas pelo Samu ao hospital", disse Eliete Estácio, diretora de uma das escolas transformadas em abrigo.

Alguns moradores apresentavam sintomas como dor de cabeça, náuseas e ressecamento da garganta e dos olhos. "Apesar de a fumaça ser tóxica, quem ficou exposto por pouco tempo não corre risco. Basta sair da fumaça e respirar ar fresco", disse Cleones dos Santos, coordenador de enfermagem do Samu da região.

A Prefeitura de São Francisco do Sul (a 178 km de Florianópolis)  e a Marinha do Brasil distribuiram milhares de máscaras à população ainda de madrugada, de forma preventiva.

 

Explosão de fábrica de fertilizantes em São Francisco do Sul 1- James Tavares/Secom-SC

A nuvem de fumaça começou a ser formada no dia 24 no incêndio em um depósito de fertilizantes

 

Com medo de intoxicação, muitos moradores deixaram a cidade, uma ilha com 42 mil habitantes no norte do Estado. Houve filas até em postos de combustíveis, segundo a prefeitura. No início da tarde, a Polícia Rodoviária Federal registrava 10 quilômetros de congestionamento na saída da cidade.

A professora de toxicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Marlene Zannin disse à reportagem que as pessoas na área do incêndio "devem evitar respirar a fumaça".

Falta de pó químico

Embora o governo de Santa Catarina tenha informado, por volta de meio-dia ,que o fogo estava controlado, o Corpo de Bombeiros local enfrentava dificuldades para conter o incêndio até a tarde desta quarta-feira, porque todo o estoque de pó químico, produto indicado para esse tipo de ocorrência, havia acabado em São Francisco e cidades vizinhas.

O chefe de instrução da corporação, Regerson Luiz, disse que as equipes tentavam usar água, mas não estavam tendo sucesso. Segundo o governo de SC, havia cerca de dez toneladas de fertilizantes no depósito atingido. "O depósito é muito extenso. Estamos jogando água para tentar manter a temperatura a 500ºC, mas a situação está muito difícil", disse Luiz.

No auge do fogo, durante a madrugada, a temperatura chegou a 1.900ºC, segundo os bombeiros.O depósito em que houve o incêndio pertence à Global Logística. Ninguém da empresa atendeu às ligações da reportagem.