Por cinco votos a um, a Corte Eleitoral mineira confirmou a cassação do prefeito reeleito de Arcos, Claudenir José de Melo (PR) e do vice-prefeito eleito, Wellington Roque (PPS), nesta quarta-feira (19). Ambos foram acusados de abuso de poder político e econômico e de gastos ilícitos na contratação de pesquisa eleitoral. A campanha teria distribuído duas mil mochilas com a inscrição da logomarca do governo municipal.
 
O segundo colocado, Roberto Alves da Silva (PCdoB) e sua vice, Luciana Araújo (PCdoB), que obtiveram 33,34% dos votos válidos, deverão ser diplomados e assumir a Prefeitura.
 
Na mesma sessão, os juízes decidiram confirmar a cassação do prefeito eleito de Rochedo de Minas, Sérgio Colleta da Silva (PSDB), e seu vice, Carlos César Oliveira de Araújo (DEM). Para o juiz Flávio Bernardes, relator do processo, ficou comprovada a compra de voto por meio do oferecimento de imóvel em loteamento popular e cesta básica. Neste caso, como o eleito obteve 55,17% dos votos válidos, o presidente da Câmara Municipal assumirá a Prefeitura até a realização de novas eleições.
 
A decisão será cumprida após o julgamento de recursos, caso sejam apresentados, ou após o trânsito em julgado.
 
Corinto
 
O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) também confirmou as cassações do prefeito reeleito de Corinto, Nilton Ferreira da Silva (PSDB), e do vice, Adjalme de Jesus Chavis (PP), por abuso de poder político e de autoridade. Ambos teriam realizado contratações diretas de pessoal por prazo determinado, sem concurso público, em período vedado pela legislação eleitoral.
 
Será diplomado o segundo colocado no pleito, Sócrates Lima Filho (PSC), que obteve 32,93% dos votos válidos.

Guiricema
 
A Corte Eleitoral decidiu extinguir o processo contra o prefeito eleito de Guiricema, Antônio Vaz de Melo (DEM), e seu vice, João Batista de Oliveira (DEM). O Tribunal optou não prosseguir com o processo porque o vice-prefeito eleito não foi citado para se defender.