GUTO KUERTEN/Agência RBS/ESTADÃO CONTEÚDO
Maicom Saturnino  ataques SC
Maicom Saturnino é cunhado do traficante apontado como um dos líderes do PGC

FLORIANÓPOLIS - Em uma cobertura do bairro João Paulo, área nobre de Florianópolis, a Polícia Civil prendeu nesta terça-feira (19) o homem que considera o maior traficante em operação na cidade e um dos mentores dos atentados que afligem Santa Catarina desde 30 de janeiro -111 registros em 36 cidades.

Maicom Saturnino é cunhado do traficante Rodrigo de Oliveira, o Rodrigo da Pedra, apontado pela polícia como um dos líderes do PGC (Primeiro Grupo Catarinense), a facção que ordena os ataques.

A mãe e a irmã de Maicom já haviam sido presas no sábado sob suspeita de envolvimento nos atentados. Segundo a Polícia Civil, elas repassavam informações entre membros presos e em liberdade do PGC.

O delegado Akira Sato, coordenador da operação que desde sábado cumpre 97 mandados de prisão para desarticular o PGC, informou que Maicom comanda o tráfico de drogas no morro do Horácio, no centro de Florianópolis.

Tráfico

Como mostrou a Folha de S.Paulo ontem, o Horácio é o maior ponto de tráfico da cidade desde os anos 1980. Na década seguinte, passou a ser controlado por Rodrigo da Pedra e, com a prisão dele, por seus escudeiros.

Rodrigo está no grupo de 40 criminosos catarinenses transferidos no sábado a presídios federais -até aqui, a resposta mais dura do governo à onda de violência.
Em 2010, ele fora transferido de Santa Catarina ao presídio federal de Mato Grosso do Sul depois de ser flagrado com uma carta do PGC.

No início deste ano estava na penitenciária de São Pedro de Alcântara (30 km de Florianópolis), mas em 15 de janeiro foi isolado em Criciúma (184 km de Florianópolis) porque em sua cela havia um rádio, fone de ouvido, bateria e chip para celular.

O tenente-coronel Araújo Gomes, responsável pelo policiamento no Horário, diz que a Polícia Militar fez 19 operações no local nos últimos dois meses.

O governador Raimundo Colombo (PSD) declarou no sábado, ao anunciar a transferência dos 40 criminosos, que o combate ao tráfico de drogas é prioridade para "asfixiar" o crime organizado.

Outro lado
 

ônibus santa catarina
Coletivo foi queimado no bairro Ipiranga, em São José (SC) (Foto: Caio Marcelo/Estadão Conteúdo)
 

O advogado Francisco Ferreira, que defende Maicom Saturnino, a mãe e a irmã dele, disse que "está surpreso com as prisões" e que há exagero da polícia ao relacionar a família aos atentados.

Ferreira também defende Rodrigo da Pedra. Segundo o advogado, Rodrigo está afastado do crime e, em setembro deste ano, deve migrar para o regime semiaberto.

Ataques

A Polícia Militar informou que na madrugada de hoje foram registradas cinco ocorrências de princípios de incêndio em automóveis, mas "até o presente momento foram consideradas atentados".

Segundo boletim da corporação, "os casos ainda estão sendo analisados pela agência de inteligência, não havendo ainda elementos que os vinculem a ordenações de facções criminosas". As ocorrências foram registradas em São Francisco do Sul, Tubarão, Joinville, Chapecó e Canoinhas.