Sandy - Maria Bethânia - Lulu Santos - Palácio das Artes

Sandy cantou Michael, Bethânia deu voz a canções de Chico Buarque e Lulu rendeu honras à dupla Roberto e Erasmo (Fotos: André Brant/Lucas Prates/Flávio Tavares)


O Grande Teatro do Palácio das Artes ficou lotado por três noites ao receber o Circuito Cultural Banco do Brasil. No show mais badalado (com ingressos esgotados em 90 minutos), Maria Bethânia comprovou que a combinação de sua voz com as composições de Chico Buarque é perfeita – mesmo com os problemas ocorridos ao longo da apresentação.

No show de sábado (28), Bethânia desfilou cerca de 30 pérolas de Chico Buarque, praticamente todas bastante conhecidas do público – "Cotidiano", "Roda Viva", "A Banda", "Valsinha", "Olhos nos Olhos"...

Embora se esforçasse muito para ser impecável, a cantora escorregou em algumas letras, especialmente em "A Rita" e "Mambembe". Houve até um momento em que se mostrou irritada com a equipe que alimentava teleprompter. Por duas vezes, foi visível a demonstração de sua irritação junto ao maestro e grande amigo Jaime Alem.

O som dos instrumentistas também não estava totalmente perfeito para quem estava nas primeiras filas. A percussão muitas vezes se sobressaía demais, enquanto o violoncelo era quase imperceptível.

Ao final, pouco antes do bis com o samba-enredo "Chico Buarque da Mangueira", ela se desculpou pelos problemas técnicos.

Nada que tirasse totalmente o brilho da noite. Mesmo que as letras não estivessem totalmente na ponta da língua, sua voz e o talento para a teatralização permaneceram invejáveis. As interpretações de "Apesar de Você", "Cala a Boca, Bárbara" e "Sem Açúcar" foram incríveis.

No show de Sandy, que abriu a reestreia da turnê na sexta-feira (27), a cantora interpretou Michael Jackson e deixou nítido que a sua praia é mesmo a música intimista. Este é o caminho no qual a cantora tem investido desde "Manuscritos", último disco solo.

Sob o olhar da mãe, Noely, que estava nas primeiras fileiras junto à ensandecida plateia belo-horizontina, Sandy mostrou a afinidade que tem com as baladinhas e as músicas românticas. A característica pôde ser comprovada com grandiosas interpretações de músicas do Rei do Pop como "Ben", "I’ll be there", "Human Nature" e "I Want You Back", que Michael compôs aos 10 anos. As demais canções, como "Bad" e "Thriller", a cantora de Campinas fez com honestidade. Porém, esses hits ganharam arranjos mais leves, ao estilo de Sandy.

A cantora veio com a indumentária prometida, inspirada no figurino de Michael: paetês, chapéu de aba curta e a clássica luvinha branca. Tudo dosado e elegante. Exageradas mesmo, só a doçura e a afinação da artista, que ao final do bis olhou para cima e ofereceu um singelo "Obrigada, Michael!".

No domingo (29), Lulu Santos emocionou já no início do show em homenagem à dupla Roberto e Erasmo Carlos, com "Sentado à Beira do Caminho". Lulu rendeu honras a Erasmo, que, segundo ele, firmou o rock no Brasil. Ele seguiu com interpretações de "O Calhambeque", "Minha Fama de Mau", "Eu Sou Terrível", "As Curvas da Estrada de Santos" e "Festa de Arromba", fechando a turnê mineira de "covers" da MPB.