A partida desta terça-feira (24) entre Inglaterra e Costa Rica, às 13h, no Mineirão, pela última rodada do Grupo D da Copa do Mundo, não passará de um amistoso de luxo. Com a seleção inglesa desclassificada do mundial, as atenções estarão divididas entre o gramado e as cadeiras, onde estará um torcedor ilustre.

O príncipe Harry, membro da família real britânica e terceiro na sucessão do trono inglês, assistirá à partida no Gigante da Pampulha. Antes de seguir para o estádio, ele fará uma visita ao Minas Tênis Clube para conhecer as instalações do local escolhido pela Associação Olímpica Britânica (BOA) para ser seu centro de treinamento na Olimpíada do Rio, em 2016. Lá, ele vai encontrar com o campeão olímpico de natação Cesar Cielo.

Para os jornalistas ingleses que estão em Belo Horizonte na cobertura da Copa, a vinda de Harry tem muito mais apelo político do que esportivo. “A família real é muito ligada aos esportes, principalmente ao futebol. Tanto que foi o príncipe William que entregou o troféu ao time campeão da FA Cup. Porém, o príncipe Harry não é tão apaixonado pelo futebol. Na verdade, seu esporte favorito é o rugby”, afirma Kay Oliver, do jornal londrino “The Time”.

Segundo o jornalista, a relação da família real com o esporte vai muito além do futebol. “Praticamente todos os integrantes gostam de tênis, por causa do tradicional Grand Slam de Wimbledon, e do remo, por ser um esporte tradicional na Inglaterra. Os principais esportes são os que envolvem cavalos, como o hipismo e o turfe, mas a grande preferência é pelo pólo”, destaca Kay Oliver.

VEXAME

Apesar de não ter apelo competitivo, o duelo de desta terça entre Inglaterra e Costa Rica é de fundamental importância para os ingleses, por dois motivos. 

“Infelizmente, o jogo perdeu sua importância principal, já que as duas seleções definiram seu futuro na Copa do Mundo. Porém, o jogo será encarado com muita seriedade pelos ingleses, para evitar um vexame ainda maior, que seria voltar para casa sem nem um ponto conquistado”, diz o repórter do “The Time”.

O segundo motivo é o retorno da Inglaterra à cidade onde sofreu a derrota mais surpreendente da história das Copas, 64 anos atrás. Em 1950, os ingleses foram batidos pelos Estados Unidos, por 1 a 0, no Independência.

“Não acredito que esta cidade traga má sorte à Inglaterra. Aquela derrota marcou a história do futebol, infelizmente para nós. Teremos a chance de jogar aqui novamente e vamos buscar uma vitória para termos uma boa lembrança de Belo Horizonte”, disse o técnico inglês Roy Hodgson.

Polêmicas e carreira militar

O príncipe Harry já foi o “patinho feio” da família real britânica. Por diversas vezes, apareceu nos tablóides ingleses como um jovem que gostava de curtir a vida e causar escândalos. Em 2007, alistado no Exército, fez treinamento para ir ao Iraque, o que não aconteceu. No ano seguinte, participou por dez semanas de uma missão militar no Afeganistão.

Agenda no Brasil inclui visitas a projetos sociais

Além do jogo da Inglaterra contra Costa Rica, o príncipe Harry terá uma movimentada agenda para cumprir no Brasil. Nessa segunda-feira (23), na sua chegada ao país, em Brasília, visitou o Hospital Sarah Kubitschek, onde viu uma partida de basquete de cadeiras de rodas e participou de um treino de canoagem com um paciente da instituição de saúde.

Depois, o príncipe passou pela Embaixada do Reino Unido e seguiu para o Estádio Mané Garrincha, para acompanhar a partida entre Brasil e Camarões.

Acompanhado pelo secretário de Estado de Cultura, Mídia e Esportes do governo britânico, Sajid Javid, Harry segue nesta quarta-feira (25) para São Paulo, onde está agendada uma visita ao projeto “De Braços Abertos”, que trabalha com a reabilitação de usuários de crack. O príncipe deverá estar acompanhado do prefeito da capital paulista, Fernando Haddad.

Homenagem

O príncipe também participará de uma festa em homenagem à avó dele, a rainha Elizabeth II. A última atividade de Harry no Brasil será uma visita a outros projetos sociais, como um de proteção à Mata Atlântica.

Esta é a segunda visita de Harry ao Brasil. Em 2012, ele esteve no Rio de Janeiro e em Campinas (SP). Daqui, o príncipe seguirá para Santiago, no Chile, para a segunda e última parte da viagem real pela América do Sul.