A Citroën lança no Brasil a linha 2016 do DS5, modelo topo de linha da grife de luxo da marca francesa, que mantém as versões Be Chic e So Chic. Partindo de salgados R$ 138 mil, o modelo teve um sobrepreço considerável, uma vez que a versão básica da linha anterior tinha preço inicial de 123.490 e a topo, partia de R$ 138.500.
 
Com leves retoques visuais, concentrados nos faróis e grade do radiador, o hatch superdimensionado manteve seus adornos cromados nas laterais. As mudanças são difíceis de perceber, ainda mais num modelo tão extravagante como o DS5.
 
Por dentro, o francês não abriu mão o excelente padrão de acabamento com revestimento em três tipos de couro. Destaque para o sistema de entretenimento que passa a contar com monitor de sete polegadas e integrar comandos. Mais prático que o antigo.
 
Além disso, o equipamento permite espelhar smartphones por meio dos sistemas Mirror Link e Apple Car Play. O restante do pacote já era conhecido, como ar-condicionado digital de duas zonas, seis airbags, câmera de ré, navegador GPS, dentre outras firulas. Na versão So Chic, ele oferece projeção de informações numa pequena tela diante dos olhos do motorista, que foi herdado do primo 3008 da Peugeot, com quem compartilha boa parte de sua arquitetura.
 
Já na parte mecânica, não há novidades. Sob o capô, o DS5 manteve a unidade turbo THP 1.6 de 165 cv e 24,5 mkgf de torque, associado à uma transmissão automática de seis marchas.
 
A Citroën bem que poderia ter adicionado mais potência ao bloco, já que há opções com maior cavalaria, já adotadas pela Peugeot, como por exemplo do 2008, que teve o turbo recalibrado para gerar 173 cv. Afinal, o DS5 oferece o mesmo conjunto mecânico que seus irmãos menores como DS4 e DS3, que levam a vantagem de serem mais leves e consequentemente com melhor desempenho e são mais baratos.