A principal atração da Mercedes-Benz no Salão do Automóvel de Detroit (que acontece entre os dias 11 e 24 de janeiro) é a nova geração do Classe E, um dos principais modelos da estrela de três pontas. E depois de diversos flagras, publicações europeias tiveram acesso aos dados e imagens oficiais do sedã, que ganhou desenho muito parecido com seus irmãos Classe C e Classe S, o que pode deixar alguns fãs do modelo contrariados.

Para quem não se lembra, em 1995 o Classe E inaugurou o estilo dos faróis duplos redondos, que depois foram ovalados, quadrados e agora têm o mesmo desenho dos irmãos. Até as lanternas são muito parecidas. Para diferenciá-lo dos demais sedãs da marca, é preciso olho clínico ou então uma fita métrica, já que seus 4,92 metros de comprimento fazem um meio termo entre o C e o S.

Como ocorre em diversos modelos da casa, o Classe E também teve sua família de motores redimensionada para baixo. Mas não significa que o sedã ficou fraco. Basicamente, o modelo partirá de duas unidades 2.0 turbo, sendo uma a gasolina, com potências entre 183 cv e 333 cv, e outra a diesel, com opções de 150 cv e 258 cv. O bloco quatro cilíndros também será utilizado na versão híbrida (350E), que, combinado com uma unidade elétrica, desenvolve 279 cv.

O pacote de conteúdo do Classe E também incorporou o atual kit tecnológico da marca, com destaque para o assistente de direção dotado de radar. O sistema monitora o entorno do veículo, sendo capaz de identificar faixas, sinalização, demais automóveis e até objetivos de pequeno porte e animais, e assumir o controle do automóvel de forma defensiva.

Assim como o Classe S, ele também herdou a gigantesca tela de 12,3 polegadas no lugar do quadro de instrumentos, além de outra para sistema multimídia. Na sequência, serão apresentadas as versões perua, cupê e conversível, além das derivações esportivas com o selo AMG.