Quem já guiou o Dodge Viper sabe que o carrão norte-americano acelera como um diabo, graças ao seu gigantesco motor V10 de 8.4 litros de 653 cv e 83 mkgf de torque. Sem o auxílio da eletrônica é praticamente impossível arrancar sem fritar os pneus. Para dar mais performance à víbora da Dodge, a marca reeditou a versão American Club Race (ACR), que teve versões lançadas nos anos de 1999 e 2008.

Como torque e potência nunca foram problema para o Viper, a divisão de alto desempenho da Dodge destinou seus esforços para melhorar seu comportamento dinâmico, permitindo que o “dojão” seja mais competitivo em tomadas de tempo e nos tradicionais “track days”.

Ao bater o olho é perceptível o enorme aerofólio em fibra de carbono, acompanhado por aletas nos para-lamas e saias que tiram fina do asfalto. O capô também foi redesenhado e ganhou novas saídas de ar para auxiliar na refrigeração de seu bloco descomunal que gera um calor infernal.

Para deixar o carro invocado (como se ele já não fosse o bastante) a Dodge colocou novas rodas aro 19 com o desenho da clássica CH-R da alemã BBS, revestidas por pneus Kumho. Também vem da Alemanha os amortecedores Bilsten, que mantém o carro estável em velocidades elevadas, quando o “downforce” da asa, de quase uma tonelada, insistir em espremer a carroceria contra o chão.

Dessa forma, a Dodge conseguiu criar a versão de rua mais rápida do esportivo, capaz de atingir a velocidade máxima de 285 km/h. Quem disse que cobra não tem asas?