Antigomobilismo é um assunto levado a sério no mundo todo. E nos Estados Unidos não poderia ser diferente. No domingo passado, aconteceu o tradicional Pebble Beach Concours d’Elegance, encontro de automóveis de colecionadores, selecionados a dedos, na cidade californiana de Monterey, em que a estrela da reunião, ou The Best of Show, como se diz no jargão do antigomobilismo, foi o italiano Isotta-Fraschini Tipo 8A, ano 1924. 
 
Pertencente a um colecionador do Kentucky, o belíssimo conversível foi unanimidade do encontro, devido ao seu impecável estado de conservação (afinal, é um automóvel de 91 anos em estado de novo). Também pesou a favor a raridade, já que se trata de um carro feito no primeiro ano de produção do modelo que teve pouco mais de 900 unidades produzidas até 1931, quando foi sucedido pelo Tipo 8B.
 
Sem preço, especialistas acreditam que o exemplar pode superar a casa barreira dos US$ 1 milhão, tendo como base outras unidades do Tipo 8A arrematados anteriormente.
 
Sob o gigantesco capô, o Tipo 8A guarda um motor de oito cilindros em linha de 7.4 litros e 120 cv, acoplado à uma transmissão manual de três marchas. Conjunto mecânico que é capaz de fazer com que o conversível atinja a velocidade máxima de 150 km/h, mas que ninguém em sã consciência teria coragem de comprovar.
 
Moderninhos
 
Mas o encontro nos gramados de golfe de Pebble Beach vai além de automóveis históricos e também mira no futuro, como as apresentações do BMW M4 GTS (que o leitor conferiu na edição de 17 de agosto), assim como o inédito Lamborghini Aventador LP-750-4 SV (Superveloce) Roadster, que o leitor conhecerá em detalhes na página 7.