RIO DE JANEIRO – Mesmo com a previsão de contração do mercado, na ordem de 5% em 2016, o presidente mundial da Aliança Renault-Nissan, Carlos Ghosn, veio ao Brasil para anunciar a produção de um modelo global no Brasil. O executivo confirmou o lançamento do utilitário-esportivo (SUV) Kicks para este ano, conforme antecipamos na edição de 14 de fevereiro de 2015.

Sem precisar a data de lançamento e os detalhes técnicos, Ghosn garantiu que o Kicks foi projetado de acordo com perfil do consumidor brasileiro. “Temos grande experiência no segmento de SUVs e estudamos o mercado para desenvolver um produto que atenda às preferências do consumidor.

O executivo ainda anunciou o investimento de R$ 750 milhões na expansão da fábrica de Resende (RJ), apesar do cenário negativo. “A Anfavea projeta retração de 5%, o que, pessoalmente, considero otimista. Mas temos que estar prontos para quando o mercado retomar o crescimento”, observa Ghosn.

Estratégia global

kicks - nissan

No entanto, o presidente do grupo enxerga o investimento como parte da estratégia global da Nissan. “Apesar da contração no Brasil, o mercado latino e norte-americano vai crescer em 2016. Nossas plantas estão operando no limite e o Brasil é o único polo capaz de absorver a demanda externa na região. Por isso estamos investindo em exportação para a América latina, o que nos permitirá manter nossa operação sem demissões”, afirma.

Além do Kicks, o executivo também confirmou a importação do elétrico Leaf e do superesportivo GT-R. Perguntado se o elétrico poderia ser feito aqui, Ghosn acredita que não seria a curto prazo.

“O Leaf é o elétrico mais vendido do mundo, mas a demanda por esse tipo de veículo é muito pequena no Brasil, o que tornaria sua produção inviável a curto prazo”, explicou.