Os dois olhos do diabo da ilha da rainha: Rocket III é um verdadeiro míssil sobre duas rodas

Sérgio Melo - Especial para Auto Papo
13/09/2015 às 11:23.
Atualizado em 17/11/2021 às 01:44
 (Wesley Rodrigues)

(Wesley Rodrigues)

Você sabe por que as pessoas compram joias, objetos de arte e viajam para lugares distantes?... Se a resposta for negativa ou se você acha que são bobagens, pare de ler essa matéria, coloque o pijama e vá para o sofá passar o domingo vendo televisão. Para os que responderam que representam prazer, realização, auto-estima, etc., vamos falar sobre a Triumph Rocket III.

A começar pelo motor, o maior em motocicletas já produzidas em série. Os 2.300 cc de cilindrada são como um parque de diversões para quem aprecia desempenho. Mais força que automóveis 2.0, empurrando um veículo quatro vezes mais leve. O resultado é a sensação de ser “super”, com poderes para puxar o horizonte ao seu encontro ou passar pelos outros como se estivessem parados. Embora o enorme vigor de 22,5 quilos de torque, a potência é de apenas 148 cv.

Caramba! Veja o que a Rocket faz com a gente... Acabei falando que 150 cavalos em uma moto é pouco. Claro que não. O fato é que, com tanta força, seria de se esperar uma potência maior, já que muitas 1.000 cc têm ainda mais. Mas deixe explicar, isso é bom porque faz com que a fera seja mansa. Ela acelera de forma linear e tranqüila em todas as rotações, sem assustar nem mesmo quem não está acostumado com as “baitas”.

E não se preocupe com o tamanho. Apesar dos dois metros e meio e 334 kg, ela é fácil de pilotar. Como o peso está concentrado próximo ao chão e o assento não é alto, mantê-la parada ou manobrar devagarzinho não é difícil. Assim que você arranca, ela se torna muito estável. É mais fácil cair de uma 125 do que dela. Uma curiosidade, devido ao motor em linha no sentido do comprimento, é o balançar lateral quando se acelera parado... Faz lembrar dos antigos Opalas 4.100.

TRIUMPH ROCKET III

O que é?

“Power Custom” – Musculosa “Custom” com grande cilindrada.

Onde é feita?

Fabricada na unidade de Hinckley, na Inglaterra.

Quanto Custa?

R$ 72.940

Com quem concorre?

Quase obras de arte, portanto difíceis de comparar, as opções mais próximas são: Yamaha Vmax (R$ 130.000), Harley Davidson V-Rod (R$ 59.000) e Ducati Diavel (R$ 58.468).

Motor

A gasolina, 2.294 cm de cilindrada, potência 148 cv e torque 22,5 kg.

Como anda?

Velocidade máxima eletronicamente limitada em 220 km/h e aceleração de 0 a 100 em pouco mais que 3 segundos.

Como bebe?

Consumo médio na estrada 15.6 km/l.

Comportamento:

O guidão só é pesado enquanto parada, andando é leve e tem reações adequadas às inclinações. A suspensão é confortável e a transmissão ligeiramente bruta, porém com engates fáceis, permitindo encontrar o “neutro” mesmo sem ter que parar. Nas curvas “um navio” extremamente firme. A posição do piloto é confortável, mas falta apoio para as costas do garupa, tipo “Sissy bar”, (nas aceleradas, se a sua companhia não for esperta vai acabar no meio da estrada).

Acabamento:

Uma “Lady” inglesa. Materiais de ótima qualidade, montagem bem feita e pintura impecável.

Pontos Positivos

Emoção

Desempenho

Estilo

Pontos Negativos

Falta encosto para o garupa

 

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por