Por muito tempo a fabricação de picapes era praticamente um “privilégio” dos fabricantes norte-americanos Ford, General Motors e Chrysler e os europeus não viam necessidade daqueles largos caminhõezinhos no velho mundo. Com a expansão da indústria automotiva nipônica, os japoneses entraram no jogo, e os europeus acenavam para uma tendência futura com modelos compactos como o Peugeot 504, até que os alemães da Volkswagen resolveram entrar na briga com a Amarok. Agora, Mercedes-Benz e Renault se uniram para criar suas derivações dos Nissan Frontier e os franceses saíram na frente com o conceito Alaskan.

A marca do diamante tem mostrado interesse nesse nicho, tanto que em junho, durante o Salão de Buenos Aires, apresentou a versão definitiva do Duster Oroch, picapinha leve que compartilha base e conjunto mecânico com o jipinho de origem romena.

Clone do Frontier, a Alaskan deverá chegar ao mercado em no máximo dois anos para atender a crescente demanda por veículos utilitários no continente europeu, assim como em demais mercados ao redor do globo, como o leste asiático e o latino, onde esse tipo de produto tem grande apresso.


Brasil

Por aqui ela deverá chegar por volta de 2017 ou 2018, importada da Argentina, já que a parceira Nissan produzirá a Frontier em terras portenhas a partir de 2017. Na foto acima é possível perceber que a picape está muito próxima de seu desenho final. Substitua alguns elementos como retrovisores, rodas, maçanetas, faróis e lanternas por peças convencionais e remova os excessos como o rack de teto e coloque um para-choque traseiro para se chegar ao modelo final. 

Sobre a motorização, a Renault faz mistério, mas é muito provável que utilizará o mesmíssimo conjunto mecânico da prima japonesa, tendo a unidade turbodiesel 2.5 de 163 cv ou até mesmo a unidade 2.3 aplicada ao furgão Master. O modelo será exibido no Salão de Frankfurt, que abre suas portas no dia 17 de setembro.