Não é todo dia que se pilota uma moto com relação peso-potência superior à de um superesportivo. A BMW S 1000 RR oferece 199 cv para deslocar apenas 204 kg, ou seja, pouco mais um quilo por cv, fora o peso do piloto e garupa. Só não supera o Koenigsegg One-1, que também tem relação um por um. O visual agressivo agrada, mesmo com os estranhos faróis assimétricos.

Para ajudar na pilotagem, um botão no punho esquerdo permite adequar as reações da moto às condições de uso, nas opções “Chuva”, “Esporte” e “Corrida”, evitando derrapagens, travamentos e o levantamento das rodas. Um sensor de inclinação limita a aceleração nas curvas, impedindo que o piloto faça besteira. No modo “Usuário”, que depende da remoção de um plugue sob o assento, toda a ajuda eletrônica será desativada.

A esportiva ainda oferece “ABS Pro”, assim como a possibilidade de alterar a sequência das marchas, no estilo “Moto GP”, mudanças sem uso da embreagem e controle eletrônico de largada, para a melhor arrancada possível.

BMW 1000 RR

O que é?
Super esportiva.

Onde é feita?
Fabricada na unidade de Manaus.

Quanto Custa?
R$ 76.400

Como anda?
Extremamente vigorosa em todas as rotações, ciclística impecável, guidão leve com reações adequadas às inclinações, suspensões firmes e muita aderência. Velocidade máxima 297 km/h, torque de 11,5 mkgf e aceleração de 0 a 100 em 3,1 segundos. Mais força e quase o triplo da potência de veículos 1.0, que pesam cinco vezes mais.

Com quem concorre?
Embora haja diferenças consideráveis de conteúdo e desempenho, as concorrentes mais próximas são Honda Fireblade (R$ 69.900), Suzuki GSX-R1000 (R$ 58.900) e Yamaha YZF R1 (R$ 60.950).

Pontos Positivos:
-Desempenho
-Estilo
-Tecnologia

Pontos Negativos:
-Reduzido esterçamento
-Aquece em trânsito urbano