Não é preciso ser nenhum futurologista para perceber que a tendência dos utilitários-esportivos (SUV) ainda tem muito chão pela frente. Só no Brasil são mais de 60 modelos com preços que partem de R$ 54 mil e podem superar a casa de R$ 1 milhão. No restante do mundo a tendência é tão forte quanto, tanto que modelos compactos com dimensões similares às de um hatch médio se tornaram uma febre, como o Honda HR-V e seu novo rival o Toyota C-HR, que chegou à versão final no Salão de Genebra.

Se a versão conceitual, exibida em Frankfurt, demonstrava que o carro competiria como o Nissan Juke, a versão definitiva deixa claro suas reais intenções inclusas no nome.

O caçula da Toyota não esconde suas pretensões de concorrer diretamente com o CR-V. E não é só o nome que são parecidos. Assim como o rival, o Toyota é um produto global, que terá inclusive versão híbrida. Neste caso, o C-HR utilizará o mesmo conjunto mecânico do Prius, um motor 1.8 a combustível atuando junto com uma unidade elétrica. Inclusive, o modelo também é feito na mesma plataforma global TNGA.

Segundo a Toyota, o modelo começará a ser fabricado na Turquia, de onde será distribuído na Europa. O modelo também será feito nos Estados Unidos, onde SUV nunca sai de moda.

No Brasil

Por aqui, há boas chances de o C-HR chegar ao mercado, sendo produzido na unidade de Sorocaba, de onde saem Etios e Etios Sedan, o que não deverá acontecer antes de 2018. Via importação, seu preço final o tornaria incompatível com seus concorrentes diretos (HR-V e Renegade).

Caso seja realmente vendido no Brasil, o jipinho utilizaria o mesmo conjunto do Corolla, que parte de motor 1.8 de 144 cv com opção transmissão automática de seis marchas.