A escassez hídrica, que obriga o produtor a novos investimentos para salvar a safra, merece também atenção nesse momento de alta dos custos. Algumas iniciativas que já mostraram ser sucesso podem ser implementadas nas propriedades rurais.

Para economizar, alguns produtores iniciaram o reaproveitamento da água por meio de um sistema de limpeza desenvolvido em parceria pela Epamig, Embrapa Café e Incaper.

O sistema, de baixo custo, pode ser construído pelo próprio cafeicultor e é constituído por caixas e peneiras que possibilitam o reaproveitamento da água utilizada na lavagem dos grãos de café.

De acordo com o pesquisador da Epamig, Sammy Fernandes, após a remoção de parte dos resíduos, a água pode ser reutilizada em novos processos de lavagem e descascamento do café, e também na irrigação de lavouras. “Essa água residuária é rica em material orgânico, que inviabiliza o seu descarte simples. Por outro lado, pode ser reaproveitada na nutrição de variadas espécies agrícolas”, informou.

O cafeicultor Eric Abreu, da Fazenda Parreiral, em Três Pontas, implantou o sistema de baixo custo para filtragem, decantação e bombeamento da água reutilizada no processo de descascamento. “Uso 60% de água reaproveitada e 40% de água limpa na produção do meu café, que é comercializado nos mercados interno e externo”, conta.

Já o cafeicultor João Carlos Pieroni, que tem propriedade em São Sebastião do Paraíso, no sul de Minas, contatou que após a instalação do sistema das caixas dágua passou a fazer uma economia de 70% nos custos com o insumo.

“A compra coletiva de rações e medicamentos pode ser uma alternativa para a redução dos custos da propriedade”