“Eu, cá na Vila, bato palmas e digo: vá em frente, menino. Agora, se alguém perguntar quem é o Diogo, não preciso responder que é o filho do João Nogueira. Afirmo com segurança: é um belo cantor, com personalidade própria. Um artista verdadeiro. Um elo na corrente da perpetuação do samba”. É assim que Martinho da Vila define o sambista Diogo Nogueira, que apresenta nesta sexta-feira, no Palácio das Artes, o disco “Munduê”.

As elogiosas palavras de um dos mestres do samba não são por acaso. É com “Munduê” que Nogueira oferece ao público o primeiro álbum totalmente assinado por ele. “É um divisor de águas na minha carreira e tem trazido grandes alegrias”, conta Diogo.

Apesar de beber de muitas fontes, ele destaca que o disco prioriza a ancestralidade. “Buscamos uma sonoridade que privilegiasse o batuque, o samba pé no chão”, explica.

Celebração

Para além da novidade da obra, o álbum carrega outra marca importante: surge no momento em que o sambista completa 10 anos de carreira. É desse período, aliás, que vêm as 14 faixas que compõem o álbum.

“Juntei músicas que fiz com diversos parceiros nos últimos anos e senti que era a hora de gravar. Aproveitei a celebração dos meus 10 anos de carreira para fazer um disco 100% autoral”, relata.

Além disso, ele ressalta a importância das parcerias no álbum. “Tive a oportunidade te apresentar músicas com diferentes parceiros, de várias gerações, inclusive a honra de ter uma em parceria com Dona Ivone Lara”, diz Nogueira.

Aproveitando o embalo da comemoração da década percorrida, o músico revisitará grandes sucessos na apresentação. “O show tem um pouco de tudo e tem sido muito festejado por onde passa. Além de um cenário maravilhoso, do genial Helio Eichbauer, inspirado no teatro de sombra chinês, trago um repertório com as canções de ‘Munduê’, mas também uma homenagem ao Martinho, além de sucessos do samba e da MPB”, adianta.

Serviço

Diogo Nogueira apresenta “Munduê”, nesta sexta-feira, às 21h, no Palácio das Artes (av. Afonso Pena, 1.537 – Centro). Ingressos de R$ 60 a R$ 200

Leia mais:

Humberto Gessinger é destaque da agenda cultural de BH neste fim de semana

Zeca Baleiro explora sucessos e composições inéditas em show na capital