Era uma vez uma jovem compositora que, num belo dia, recebeu uma música de Flávio Henrique para adicionar as letras. A parceria logo se repetiu em out canções até que – imagine uma trilha sonora de suspense – o novo amigo faleceu de febre amarela, em 2018.

Corta para 2021.  A jovem Clara Delgado já é uma compositora experiente, com várias músicas gravadas por nomes da cena autoral mineira. Aquelas canções, até então guardadas a sete chaves, ganham a forma do álbum “Antes da Palavra”, que será lançado hoje, às 20h, pela internet.

“Depois que o Flávio faleceu, eu senti que elas deveriam ser mostradas e busquei apoio da lei municipal”, registra Clara, que selecionou 20 músicas. Como ela não gosta muito de soltar a voz, convocou um time de amigos e parceiros, como Mariana Nunes e Nath Rodrigues.

“A ideia desse disco foi mesclar relações artísticas que tinham a ver com o Flávio, que haviam trabalhado com ele, além de pessoas que têm relação com o meu momento atual”, registra. Clara lembra que Flávio era muito agregador, tirando prazer da criação coletiva.

Tanta generosidade não poderia resultar em outra coisa: o termo mais preciso para definir “Antes da Palavra” é amor. “Tem  a ver com o lugar de referência, com os letristas que eu admirava. Ouvia muito bossa nova, Chico Buarque e Caetano Veloso e até tentei escrever coisas que o imitassem”, recorda.

Apenas as letras “Cadafalso” e “Silêncio” recorrem a temas diferentes. A primeira fala de um momento de desarmonia entre pessoa e cidade. Já “Silêncio” fala do cansaço, baseando-se no livro “Sono Sentido”, de José Miguel Wisnik. É essa canção que fecha o disco de Clara Delgado.

“Tem a ver com a primeira faixa, que é um poema sobre o surgimento da palavra. Fazia muito sentido começar com o nascimento e terminar  com esse silêncio, uma especulação sobre o que é música, som e vazio. No meio disso, está a temática do amor”, destaca a letrista.

O lançamento do disco acontecerá na forma de uma audição aberta, com a execução das 12 faixas. Já na terça, acontecerá um sarau, com transmissão pelo canal do YouTube da compositora. “Neste, o objetivo é criar um ambiente de troca mesmo, reunindo, com artistas que não estão necessariamente no álbum”.