É literalmente o caso de dois artistas que dispensam apresentações. A bordo de trajetórias tão aplaudidas (por público e crítica) quanto acompanhadas por um séquito de fãs, Cauby Peixoto e Angela Maria voltam à capital mineira para única apresentação, neste sábado (26), às 21h, no Teatro Bradesco. A foto acima e o título do show – “Reencontro” – explicitam a diretriz da iniciativa. Instado a falar sobre a companheira de palco, Cauby não poupa adjetivos: “A Angela é uma pessoa alegre, divertida e solidária. Na minha opinião, tem o timbre de voz mais bonito do mundo. É sempre um prazer gravar e me apresentar com ela. Nossas vozes se combinam e, como pessoa, é uma amiga excepcional.
 
O intérprete lamenta apenas que, por conta da correria inerente à vida moderna, não tenha tempo de manter o relacionamento com a colega tão estreito quanto seria de seu agrado. “Devido ao nosso trabalho e às agendas sempre cheias, infelizmente temos pouco tempo (para encontrar). Porém, quando é possível, nos visitamos e estamos sempre juntos”.
 
E por falar em agenda cheia... “Continuo na ativa, mais do que nunca. Viajando muito, sempre a trabalho, sobrando pouco tempo para o lazer. Aliás, o meu lazer é cantar!”, enfatiza.
 
E algum trabalho novo, a caminho, Cauby? “Estou com vários projetos em andamento e alguns já em execução. Portanto, aguarde novidades”, diz, meio enigmático, antes de lembrar que voltar a Minas Gerais – e em particular a Belo Horizonte (“é uma cidade linda, acolhedora e de povo hospitaleiro”) é, sim, motivo de júbilo. “Sempre fui muito bem recebido aí e, claro, espero que gostem do espetáculo”.
 
 
Repertório do show reverbera o romantismo
 
O show “Reencontro” (gravadora Nova Estação) reverbera o disco lançado por Ângela Maria e Cauby Peixoto no ano passado. Na verdade, trata-se do terceiro trabalho gravado pelas duas legendas em conjunto: em 1982, veio o primeiro, ainda em formato LP. Dez anos depois, o mercado recebeu o segundo álbum, agora com registro ao vivo.
 
O repertório de “Reencontro” passeia por gêneros como o samba-canção, os boleros e outras vertentes musicais que fazem o romantismo ecoar sem economia.
 
Assim, no repertório, estão pepitas do naipe de “Como é Grande o Meu Amor por Você” (da dupla Roberto e Erasmo Carlos), “Apelo” (Vinicius de Moraes e Baden Powell), “Alguém Como Tu” (Jair Amorim e José Maria de Abreu), “Somos Iguais” (Jair Amorim e Evaldo Gouveia), “Dez Anos” (Rafael Hernandez, versão: Lourival Faissal) e “O Mundo é um Moinho” (Cartola).
 
Na apresentação deste sábado (26), a dupla adentra o palco na boa companhia do quinteto formado pelos músicos Daniel Bondaczuk (piano), Ronaldo Rayol (violão), Eric Budney (baixo), Nahame Casseb (bateria) e Ubaldo Versolato (sax e flauta). A direção geral é de Thiago Marques Luiz.
 
E se o próprio Cauby aponta o feito de estar no palco como o correspondente a momento de lazer, o que ele faz longe do olhar do público? “Bem, tenho uma rotina igual à de todos e, na verdade, adoro ficar em casa”.
 
“Reencontro” – Cauby Peixoto e Angela Maria. Apresentação única neste sábado, às 21h, no Teatro Bradesco (Rua da Bahia, 2.244, Lourdes). Os ingressos foram colocadas à venda a R$ 300 (inteira) e R$ 150 (meia), na bilheteria do Teatro (nesta sexta e neste sábado, das 12h às 20h).