A 22ª Casa Cor Minas Gerais, começa, nesta terça-feira, com ambientes maiores, mais de 20 atividades culturais e, ainda, experiência gastronômica. O sabor é de comemoração. São 30 anos do evento no Brasil completados no momento em que o Conjunto Arquitetônico da Pampulha conquistou o título de Patrimônio Mundial da Humanidade. Não por acaso, este ano o evento se instalou na Orla da Lagoa. 

Um passeio pelo espaço dá a dimensão de como a edição está sintonizada com o mercado e as mudanças no estilo de vida das pessoas, com soluções simples e funcionais. Uma das grandes novidades é a “Casa Laminus”. “A casa é fabricada na indústria e foi montada em 30 dias. Não gera resíduos, esforço humano e tem um custo inferior à construção convencional”, elucida Eduardo Faleiro, um dos diretores.

A mostra apresenta quase 50 ambientes, de autoria de cerca de 70 profissionais. Entre eles, nomes como Patricia Hermany, Carico Dumont, Paulo Pontes, Junior Piacesi, Pedro Lazaro e Ana Paula Paolinelli. Cerca de 25% são estreantes, como Silvia Carvalho, Natália Botelho e Paola Corteletti, mas não deixam nada a desejar aos veteranos, conforme Faleiro.

Criatividade
“A ideia foi criar um ambiente para mexer com o sensorial da pessoa, como o box que se transforma em luminária e o espaço para projeção de vídeos”, comenta o arquiteto Junior Piacesi que assina o “Quarto de Hotel”. Já os amantes do vinho vão se deslumbrar com a “Sala de Vinho”. Projeto da arquiteta Sílvia Carvalh0, o espaço, todo em vidro climatizado, pode abrigar 450 garrafas. “Conta também com uma pequena biblioteca com obras sobre vinhos. Mostramos que é possível ter uma adega em casa”, afirma Sílvia.

Em um ambiente delicado e minimalista, as arquitetas Natália Botelho e Paola Corteletti criaram a “Suíte Inverno Azul” e mostram que não precisa ter medo de utilizar as cores. “Não queríamos nada óbvio, assim como o nome do espaço. Ele pode ser o que a pessoa quiser”, pontua Natália.

Espaço assinado pela arquiteta Ana Paula Paolinelli
Living – Espaço assinado pela arquiteta Ana Paula Paolinelli é um convite para reuniões sociais e familiares

Além do design
Nem só de arquitetura, decoração e paisagismo é composta esta edição da mostra. O “Teatro Casa Cor”, por exemplo, foi projetado para receber a programação durante o evento, que inclui atrações como o grupo Corpo Cidadão, Sesc Cia de Dança, Quarteto Musik e Frederico Heliodoro Trio. O projeto é assinado pelo diretor-técnico do Grupo Corpo, Pedro Pederneiras, juntamente com os arquitetos Filipe Pederneiras e Thiago Bandeira e as designers Valéria Junqueira e Gabriela Junqueira. 

A gastronomia é outra novidade. O “Cozinha Inusitada” traz intervenções gastronômicas e cursos, sendo que, aos domingos, a programação será voltada para as crianças. Assinada pela arquiteta Cristina Menezes, a cozinha tem vista para a Lagoa da Pampulha. “São novidades que trazem um frescor ao evento e amplia o olhar sobre a arquitetura”, considera Faleiro.

Exposição, festa e até picolé exaltam a Pampulha

Exposição assinada pelo arquiteto Pedro Lázaro

“Ser Moderno” – Exposição assinada pelo arquiteto Pedro Lázaro pode ser conferida no Museu de Arte da Pampulha

 

Em clima de celebração pelo reconhecimento da Pampulha como Patrimônio Mundial da Humanidade, a intenção dos idealizadores da 22ª edição da Casa Cor Minas foi a de fazer um convite ao público do evento para redescobrir a região. Por isso, a mostra foi ampliada. 

“Estamos levando a Casa Cor para o Museu de Arte da Pampulha e o Iate Clube. Uma forma de festejar a conquista e retomar o olhar para esse lugar que é tão significativo para a cidade e de uma riqueza arquitetônica enorme”, comenta um dos diretores da mostra, Eduardo Faleiro.

O Museu de Arte da Pampulha (MAP) recebe a exposição “Ser Moderno”, assinada pelo arquiteto Pedro Lázaro. O emblemático edifício, criado originalmente para ser um cassino, ganhou ares cênicos na divisão das peças em exposição. Lázaro afirma que busca um diálogo entre arquitetura, arte e design e, para isso, partiu dos ideais modernistas, desde suas origens até seus desdobramentos contemporâneos. Uma mistura entre história, arte e sensibilidade, pois o público desfrutará da exposição com a vista da Lagoa da Pampulha ao fundo.

A Casa do Baile é outro ponto ocupado pela mostra. O espaço conta com lounge assinado por Renata da Matta, e o Iate Tênis Clube, irá abrigar uma festa, aberta ao público, com a presença de arquitetos de todo o país para celebrar a Pampulha.

Pampulha Casa Cor
Detalhes – Espaços da Casa Cor trazem objetos de decoração inspirados na Pampulha

Picolé para comemorar
A Pampulha foi parar no palito. A proprietária da Easy Ice, Ju Scucato, em parceria com Gustavo Greco, diretor da Greco Design, lançam na Casa Cor o picolé de Abacate com Nata. A criação é uma homenagem a Oscar Niemeyer e a Pampulha. “Estávamos pesquisando qual seria o sabor que traduziria esse grande momento, então, assistindo a uma entrevista do Niemeyer, ele conta que o creme de abacate era o segredo da sua longevidade”, conta Ju que chegou a brincar. “Na busca por algo que representasse a Pampulha chegamos a brincar que faríamos um picolé sabor capivara”, descontrai.

A embalagem leva os traços que a Greco Design criou para a candidatura da Pampulha a patrimônio da Unesco, e que ganhou um painel na Casa Cor que liga o bar ao espaço coworking. O picolé é uma edição limitada e não será comercializado, mas distribuído ao público durante os eventos da Casa Cor Minas.

Picolé de abacate

Picolé de abacate com nata criado em homenagem a Oscar Niemeyer e a Pampulha

 

Serviço:

Casa Cor Minas Gerais 2016 - De 30/8 a 4/10, na Alameda das Latânias, 30, São Luiz. De terça à sexta, das 15 às 22h, aos sábados, das 13 às 22h, e aos domingos e feriados, das 13 às 19h. Ingresso: R$ 50 e R$ 25 (meia). Promocional, até 29/8: R$ 35. Passaporte para todos os dias: R$ 140 e R$ 70 (meia). A entrada para todos os eventos no Teatro Casa Cor Minas é gratuita mediante apresentação do ingresso para a mostra. Informações:casacorminas.com.br.