Case de sucesso na democratização do acesso às artes cênicas no Brasil, a Campanha de Popularização do Teatro & Dança chega hoje à sua 44ª edição e ocupa, até dia 4 de março, dezenas de teatros e espaços culturais de Belo Horizonte. Neste ano, a programação traz 132 espetáculos, sendo 54 deles inéditos no evento, cujo lançamento aconteceu ontem, no Teatro Francisco Nunes. 
 
Ao todo, serão exibidas 15 apresentações de dança, 29 peças infantis e 88 voltadas para o público adulto, entre musicais, dramas e comédias. Praças de Belo Horizonte, Betim e Contagem receberão espetáculos gratuitos da campanha, que pela primeira vez se estenderá às cidades de Betim, Juiz de Fora, Nova Lima e Sete Lagoas.
 
Presidente do Sinparc, Rômulo Duque explica que, para a edição de 2018, houve uma curadoria inédita dos espetáculos inscritos. “Tivemos a proposta de que fosse criada uma curadoria, para avaliar se, tecnicamente, todos os espetáculos que estão entrando são profissionais, tirando os da mostra especial”, afirma, explicando que diretores, produtores e artistas mineiros integraram as comissões curadoras. “Nós temos programação para todo mundo. Desde um espetáculo ‘cabeça’, super pesquisa, até uma peça para quem gosta de rir. A campanha se mantêm por essa diversidade”, sublinha. 
 
Duque lembrou também a vocação pública da iniciativa. “A proposta, desde a década de 70, é de que a campanha seja uma mostra de todos os espetáculos que entraram em temporada no ano anterior, a preços populares. A obrigação é apenas que sejam espetáculos profissionais. Dentro disso, têm coisas boas, ruins, maravilhosas. E, para tudo, têm pessoas que querem assistir pela primeira vez, que querem retornar a ver. Isso é o que importa”, sublinha.
 
A programação completa da campanha pode ser acessada em www.vaaoteatromg.com.br
 
Com ingressos que vão de R$ 10 a R$ 19, com venda sem taxa de conveniência pela internet, a campanha traz, ainda, outra novidade: a inclusão de espetáculos de stand-up comedy na grade. “Havia, no regulamento da campanha, um veto ao stand-up. Mas a vivência foi nos mostrando que o gênero é, hoje, uma realidade no Brasil. Quem faz esse trabalho são artistas, com grande passagem pelo teatro e há um público que prestigia o stand-up no teatro, no cinema, na televisão”, defende. “Então, demos um primeiro passo na inclusão do stand-up, que é uma mostra, em fevereiro, de duas semanas, no Teatro da Biblioteca”, completa. 
 
Orçamento
Duque afirma que, neste ano, a Campanha de Popularização do Teatro & Dança conta com incentivo entre 700 e 800 mil reais. “Vai ser o melhor orçamento da campanha, apesar do momento difícil que o país está passando. Isso porque fizemos um ‘trabalho de formiguinha’ e é um projeto popular, que as empresas querem apoiar”, afirma.