Contrariando as especulações de que cantaria nos intervalos do Super Bowl em 2017, Adele afirmou aos fãs, durante um show em Los Angeles, neste sábado (13), que teria recusado o convite. "Antes de tudo, eu não estarei no Super Bowl. Quero dizer, fala sério, aquele programa não é sobre música. E eu não posso dançar ou algo assim. Eles foram muito gentis, eles de fato me convidaram, mas eu disse não. Me desculpem, mas talvez da próxima
 vez", disse a cantora em um vídeo gravado por um fã na ocasião. 

As especulações sobre o envolvimento da artista com o evento começaram na segunda (8), quando o jornal britânico "The Sun" publicou uma entrevista com uma fonte anônima que disse que os organizadores estariam "fazendo absolutamente tudo que podem para
 tentar persuadi-la a aceitar". 

De acordo com informações da "Billboard", a NFL (a liga de futebol americano dos Estados Unidos) e a Pepsi negaram terem feito um convite formal a Adele. "A NFL e a Pepsi são grandes fãs de Adele. Nós temos conversado com vários artistas sobre o Pepsi Super Bowl Halftime Show [o show do intervalo entre os jogos]. No entanto, até este momento, nós não estendemos um convite formal a Adele ou qualquer outro
 artista. Nós estamos focados em montar um fantástico evento para Houston e estamos ansiosos para divulgá-lo em um bom momento", teria dito o anúncio. 

O evento, que decide o campeão da temporada anual de futebol americano, acontecerá em em 5 de fevereiro de 2017. Coldplay, Beyoncé e Bruno Mars se apresentaram na última edição do Super Bowl.