Após ser duramente criticado na internet pelo seu pronunciamento sobre Cristiano Araújo, Zeca Camargo se retratou ao vivo no "Vídeo Show" desta segunda-feira (29). "Gostaria de aproveitar, escrevi um comentário na GloboNews sobre essa cobertura e acabei sendo mal interpretado por alguns fãs. Gostaria de deixar claro que tenho a maior admiração pelo 'Cristiano Ronaldo', que não está mais com a gente", se confundiu  Zeca.
 
"Ele, que começou de uma maneira tão simples, tão honesta, tão bonita, e estourou, virou esse artista que o Brasil inteiro chorou essa morte. Então, eu queria talvez me desculpar com quem tenha entendido mal".
 
"A gente tem essa cultura maravilhosa, temos que celebrar tudo que temos no Brasil. Tudo o que a gente faz é cultura, desde o sertanejo até o pop rock", encerrou Zeca, em seguida já sendo interrompido pelos colegas, que mudaram de assunto num piscar de  olhos e começaram a falar, todos ao mesmo tempo, sobre as novidades do "Vídeo Show".
 
Na bancada, estavam, além dele, os apresentadores Monica Iozzi e Otaviano Costa, além de Ana Furtado, André Marques, Patrícia Poeta, Thiago Leifert e Cissa Guimarães. Zeca Camargo é o assunto mais comentado do Twitter.
 
Polêmica
A crônica produzida por Zeca Camargo foi  vinculada no Jornal das Dez, da GloboNews, nesse domingo (28). O jornalista inciou o texto dizendo que Cristiano era “ao mesmo tempo tão famoso e tão desconhecido”, mas que o que realmente o surpreende neste “evento triste foi a comoção nacional”. “De uma hora para outra, na última quarta-feira, fãs e pessoas que não faziam ideia de quem era Cristiano Araújo partiram para o abraço coletivo, como se todos nós tivéssemos desejando (...) um evento maior que nos unisse pela emoção”, disse. Zeca Camargo continua a crônica comparando essa comoção com outros famosos que também já faleceram, como Cazuza, Michael Jackson e Airton Senna. “Sim, todos esses eram ídolos de grande alcance. Como, então, fomos capazes de nos seduzir emocionalmente por uma figura relativamente desconhecida? A resposta está nos livros para colorir”, afirmou.
 
Para Zeca Camargo, os livros de colorir veio “bem a calhar” para fazer uma comparação com a morte do sertanejo. “(...) para que a gente faça um paralelo com à ausência de fortes referenciais culturais que experimentamos no momento. A morte de Cristiano Araújo e a quase insana cobertura da sua despedida vestiu a carapuça de um contorno de linhas pretas no papel branco só esperando a tinta das emoções das pessoas para ganhar tons e quem sabe um significado”, continuou.
 
Segundo o jornalista, a população, ao se mostrar abalada com a ausência do cantor, quer acreditar que está, de fato, comovida com a perda de um grande ídolo. “Todos sabemos que não é bem assim”, opina Zeca. Em seguida, ele afirma que a canção popular atual é dominada por revelações de uma música só. “(...) que se entregam a uma alucinada agenda para gerar um bom dinheiro antes que a faísca deste sucesso singular apague sem deixar uma chama mais duradoura. E, neste cenário, qualquer um pode, ainda que por um dia, ser uma estrela maior. Teria sido este o caso de Cristiano Araújo?”, indaga.
 
Zeca Camargo termina a crônica dizendo que o pop não precisa ser assim, pois a história musical e o passado recente prova que existem "ídolos de verdade" para serem adorados e “para chorar de verdade seja pela presença deles no palco ou na saudade da perda”. “Mas agora olhando em volta parece que não vemos nada disso", diz. Para o jornalista, o país precisa também de "herois de verdade". "Mas está todo mundo ocupado pintando jardins secretos", finaliza.
 
Famosos reagem
Em seu perfil oficial no Instagram, a dupla Henrique e Juliano publicou uma imagem de um vaso sanitário com o nome do apresentador. "Zeca Camargo, tive o desprazer de ouvir suas palavras na televisão e é claro que fiquei espantado com o tamanho do teu  despreparo e incompetência. O senhor estava sob efeito de alguma droga?", escreveram, na legenda da postagem.
 
Rodolffo, da dupla Israel e Rodolffo, definiu a crônica como a expressão de um "jornalismo preguiçoso, baseado em achismos e com um tom sarcástico de muito mal gosto, para não dizer maldoso", feito por um "pseudo-intelectual que conhece o mundo, mas não  tira um tempo para pesquisar sobre a complexidade da cultura do seu país e respeitar as diferenças musicais".
 
Bruno Belutti, da dupla Marcos e Belutti, afirmou que a classe artística do gênero se sentiu "ofendida" pela crônica. "Nós sabemos muito bem o que fazemos, o quanto lutamos, o que defendemos e o quanto as pessoas nos seguem por esse Brasilzão. A única  coisa que peço é respeito."
 
As duplas Munhoz e Mariano, Zé Vitor e Ryan e Conrado e Aleksandro também se manifestaram sobre o assunto na web. A maioria dos sertanejos que protestaram contra o texto publicaram fotos com as mãos nos ouvidos.
 
Por causa da reação negativa à crítica na internet, o nome do apresentador chegou aos trending topics (assuntos mais comentados) do Twitter no Brasil.
 
ACIDENTE
Cristiano voltava de um show em Itumbiara (a 200 km de Goiânia) na última quarta-feira (24), quando o veículo em que eles estavam, uma Land Rover, saiu da pista na altura do km 614 da rodovia BR-153, entre as cidades de Goiatuba e Morrinhos, em Goiás, e capotou no canteiro central por volta das 3h15. A namorada do cantor, Allana Coelho Pinto de Moraes, de 19 anos, também morreu no acidente.
 
*Com Folhapress