As portas de um dos mais tradicionais espaços de cultura de Belo Horizonte foram finalmente reabertas. Agora, bem mais que descobrir (ou reencontrar) o Cine Theatro Brasil revitalizado, o público mineiro terá também o privilégio de ver bem de perto uma das mais importantes obras de arte do mundo: os painéis "Guerra" e "Paz", do artista plástico paulista Candido Portinari (1903-1962), criados ao longo da década de 1950.

Na terça-feira (8), durante a reinauguração do prédio, na Praça 7, coração da capital mineira, artistas consagrados como Milton Nascimento, Hamilton de Holanda e Ana Botafogo, e a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais se apresentaram para um público de mil convidados.

Às 21h30, espectadores privilegiados, entre eles o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), e o governador do Estado, Antonio Anastasia (PSDB), ocuparam pela primeira vez, desde que o cine foi fechado, em 1999, o teatro que hoje guarda exatos mil lugares.
Fora as poltronas que substituíram os antigos assentos, a implantação de isolamento acústico devido, as saídas de emergência e o ar condicionado que hoje faz parte de todo o prédio, o estilo Art-Déco francês da década de 1930 foi preservado.

Além do grande teatro, que será "batizado" apenas em novembro, o espaço com 8,3 mil metros quadrados de área construída também abriga um teatro de bolso com 200 lugares; dois andares de galerias para exposições de artes visuais; áreas de eventos para até 650 pessoas; um restaurante; loja e áreas de convivência.

Resgate histórico

"Há 80 anos esse prédio foi inaugurado e há quase 15 exibia sua última sessão de cinema. Hoje, entregamos para Belo Horizonte um centro cultural dedicado à produção de arte. Me sinto orgulhoso e honrado por testemunhar a transformação desse espaço inspirado na arquitetura francesa. Valeu a pena todo o investimento financeiro e de tempo", disse o presidente mundial da Vallourec, Philippe Crouzet.

Ao todo, foram investidos R$ 53 milhões pela Vallourec na restauração, sendo 55% via Lei Federal de Incentivo à Cultura, com apoio da Usiminas e Banco Itaú.

Metrô bem pertinho

"É com grande alegria que Belo Horizonte recebe a recuperação de um prédio tão importante da cidade. Em breve o Cine Theatro Brasil contará com uma estação do metrô bem próxima", afirmou o prefeito Marcio Lacerda. Ele garantiu que a licitação da obra será realizada em 2014.

"Eu assisti muitos filmes de ação aqui e hoje acredito que a capital precisa de espaços como esse para abrigar a arte tão diversa que é a mineira. O prédio Cine Theatro Brasil ajudará Belo Horizonte a fazê-lo, além de ajudá-la a retomar seu posto de uma das principais cidades culturais do Brasil", disse o governador do Estado, Antônio Anastasia.

Murais de Portinari e nostalgia preservada

Em 1932, quando o Cine Theatro Brasil era inaugurado com a pompa de ser o primeiro arranha-céu no Centro de BH, frequentar espaços como aquele era sinônimo certo de glamour.

Embora oito décadas tenham se passado, o que o público poderá encontrar a partir de hoje é um espaço com ares de nostalgia preservados.

Da fachada principal, dos seus vitrais, portas pantográficas, escadas em caracol, pisos e até um painel de 200 metros quadrados escondido sobre cinco camadas de tinta, tudo está lá. E com um adicional: até 24 de novembro guardará os murais gigantescos "Guerra" e "Paz", considerados pelo próprio Portinari como sua maior obra.

"Dedico essa exposição no Cine Theatro Brasil à Maria Portinari, minha filha que faleceu aos 16 anos. Uma menina que tinha muito orgulho da obra do avô e que agora está sorrindo, lá do alto, por termos conseguido realizar esse sonho", disse, emocionado, João Portinari, filho do artista.


Serviço

"Guerra" e "Paz", de Candido Portinari no Cine Theatro Brasil (Praça Sete). Terça a domingo, das 9 às 19 horas. Sessões de hora em hora.