Utilitários, sem dúvida. Sonhos de consumo de fashionistas, também. Com tantos atributos, só faltava mesmo uma exposição para homenagear os óculos. Faltava. Na sua 3ª edição, a mostra “My Paper Sunglasses” aterrissou no Rio de Janeiro com a promessa de, ano que vem, chegar a Belo Horizonte, mais precisamente, na Mini Galeria.
 
“Todos sabemos que, além de aprimorar ou proteger a nossa visão, os óculos são acessórios de moda, mas servem, ainda, como um filtro do que queremos ver e, principalmente, mostrar”, filosofa o idealizador e curador da exposição, o designer gráfico Otávio Santiago. 
 
A mostra, divertidíssima, passou também por São Paulo, Salvador e até Montevidéu, no Uruguai. O trabalho conta com o olhar de centenas de artistas para esse simpático e funcional acessório. 
 
Desde a primeira edição, em 2010, mais de 130 artistas participaram da iniciativa. “Cada participante foi convidado a criar dois óculos. O legal é que foram enviados os mesmos modelos e o resultado, incrivelmente, distingue o suporte. É como se fossem aros diferentes, logo, eles têm a mesma essência, mas com a alma individual”, explica Santiago. 
 
“Cegar
 
Ainda segundo o curador, “My Paper Sunglasses tem, às vezes, que “cegar” o público. “Um cegar às avessas, é verdade, já que (os óculos) se transformam num curioso suporte de revelação pessoal”, completa.
 
Integram, a mostra, artistas das mais diversas vertentes, que, em comum, trazem a competência de produzir, para o público, uma criação contemporânea.
 
“A exposição mescla nomes de veteranos e outros novos, mas todos com uma pegada contemporânea”, conta Santiago, que também recebeu obras do Panamá, Itália, França e até da Coreia. 
 
Objetivo, agora, é levar a iniciativa a mais praças
 
Vale destacar que, desde a segunda edição do projeto “My Paper Sunglasses”, a curadoria do evento convidou artistas sul-americanos de vários backgrounds para realizar intervenções sobre os óculos de papel. O resultado final impressionou. 
 
Outro dado interessante tem a ver com a palavra “interação”, bandeira para todo artista contemporâneo. Com a mostra “My Paper...” não poderia ser diferente, claro. 
 
Nela, o público é convidado a experimentar os óculos criados pelos artistas, escolher um preferido e deixar-se fotografar. Ou pode até criar o seu. “A ideia é permitir que os participantes se ‘enxerguem’ através de suas criações”, diz o curador.
 
Para Otávio Santiago, o objetivo, agora, é atingir cada vez mais novas cidades e artistas, apropriar-se da cultura local e garantir uma viagem interessante pelas aspirações pessoais. “A mostra é um convite para que cada um represente seu ponto de vista de forma divertida e interativa”, conclui ele.