Foi da experiência de dar aulas para mulheres presas que a Zula Cia. de Teatro decidiu montar o espetáculo “Banho de Sol”, que fica em cartaz até 22 de abril no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB-BH).

Inspirado no projeto “Arte como possibilidade de liberdade”, tocado pela companhia entre 2016 e 2017, a montagem coloca em cena reflexões, questionamentos e vivências das atrizes durante o período. 

“Queremos dividir a experiência que tivemos e amplificar as vozes dessas mulheres”, destaca a diretora a atriz Mariana Maioline. 

No palco, ao invés de assumirem os papéis das mulheres com as quais conviveram, as atrizes revivem o período em que trabalharam ao lado delas. “Fazemos uma estrutura parecida com as aulas e, nesse percursos, vamos contando as coisas que foram acontecendo lá”, explica.

Mas apesar de terem como foco a experiência do projeto, o espetáculo não deixa de apresentar as histórias das 30 mulheres com as quais trabalharam.

“Não falamos por elas. Contamos o encontro e como ele nos mobilizou”, reitera a diretora. Além disso, a peça também coloca em cena discussões que se entrelaçam às próprias situações das presas, que vão desde o racismo institucional às especificidades dos processos e das prisões femininas. 

Relevância

A diretora aponta a importância das discussões levantadas pela peça, principalmente no contexto sociopolítico do país.
“Hoje vivemos uma situação pior do que a gente vivia quanto estávamos fazendo o trabalho. Então é ainda mais urgente trazer a humanidade dessas mulheres aqui para fora, onde temos ouvido cada vez mais coisas como ‘bandido bom é bandido morto’”, pontua.<EM>

Serviço: Espetáculo “Banho de Sol”, até 22 de abril, às 19h, no CCBB-BH (Praça da Liberdade, 450, Funcionários). Ingressos: R$ 30 (inteira), R$ 15 (meia)