SÃO PAULO - O artista britânico Banksy, que recentemente trocou Londres por Nova York para uma temporada de seus grafites e instalações, não agradou um importante nova-iorquino: Michael Bloomberg, o prefeito da cidade.

Em entrevista coletiva concedida nesta quarta-feira (16), Bloomberg disse que o trabalho de Banksy "não se encaixa" em seu conceito de arte. De acordo com ele, o grafite "deforma" propriedades públicas e privadas.

"Arte é arte, e ninguém apoia mais as artes do que eu. Eu só acho que existem alguns lugares para arte e existem lugares que não são para arte. E você ir até uma propriedade privada ou pública e deformá-la não é minha definição de arte. Ou talvez seja arte, mas não deveria ser permitida. E eu acho que é isso que a lei diz", afirmou o prefeito de Nova York.

A declaração não é de todo inesperada. Em 2002, Michael Bloomberg promoveu uma campanha para "limpar" os grafites da cidade.

Em sua temporada em Nova York, Banksy tem se mantido ativo: ele já fez grafites para anunciar sua presença na cidade americana, já vendeu obras de arte que valem milhares de dólares por preços irrisórios e até já colocou bichos de pelúcia num caminhão, para protestar pelos direitos dos animais.

Nesta semana, um de seus grafites foi vandalizado por um pichador.