A partir desta quinta-feira (3), o público poderá apreciar variadas formas usadas pelos artistas do século passado em busca da almejada modernidade que marcou o movimento. Reunindo cerca de 60 obras de importantes artistas do Modernismo Brasileiro, a exposição “Formas do Moderno na Casa Fiat de Cultura – Coleção da Fundação Edson Queiroz” apresenta uma das mais significativas coleções de arte brasileira, inédita em Belo Horizonte, integrando a programação dos dez anos da Casa Fiat de Cultura. Os visitantes poderão conferir pinturas e esculturas até o dia 8 de maio, com entrada gratuita.

A mostra proporciona um passeio pela história da arte moderna brasileira, ao apresentar nomes, como Lasar Segall, Cândido Portinari, Di Cavalcanti, Victor Brecheret, Guignard, Bruno Giorgi, Cícero Dias, Flavio de Carvalho, Alfredo Volpi, Helio Oiticica, José Pancetti, Antonio Bandeira, Antônio Gomide, Ernesto Di Fiori, Hermelindo Fiaminghi, Ione Saldanha, Ismael Nery, Judith Lauand, Lothar Charoux, Maria Helena Vieira da Silva, Maria Martins, Milton Dacosta, Ruben Valetim Samson Flexor, Vicente do Rêgo Monteiro e Willys de Castro. Ao todo, o público poderá conferir 52 pinturas e cinco esculturas, com destaque para as obras “Duas Amigas” (1913), de Lasar Segall, “Mulata com Flores”, de Di Cavalcanti (sem data), “Mulher e Crianças” (1940), de Portinari, e “Lavadeiras do Abaeté” (1956), de Pancetti.

Com curadoria de Valéria Piccoli, curadora-chefe da Pinacoteca do estado de São Paulo, a exposição apresenta uma narrativa da história da arte da primeira metade do século XX no Brasil, por meio de obras de qualidade inquestionável. Piccoli explica que a mostra evidencia as várias maneiras como os artistas brasileiros pretenderam se mostrar modernos. “Contemplando um período de aproximadamente 50 anos, será possível perceber como a modernidade se identificou, de início, com o radicalismo da primeira geração modernista, e, posteriormente, com o engajamento social de pintores como Di Cavalcanti e Portinari. O lirismo de Volpi e Pancetti foram também identificados como modernos, assim como a adesão de toda uma geração às correntes abstratas, que deve ser entendida paralelamente à projeção alcançada pela arquitetura brasileira nas décadas de 1950 e 1960”, revela.

A exposição é uma realização da Casa Fiat de Cultura, em parceria com a Fundação Edson Queiroz e a Pinacoteca do Estado de São Paulo, com patrocínio do Instituto Unimed-BH, Fiat Automóveis e Minalba, e apoio do Circuito Liberdade, do Instituto Estadual do Patrimônio Artístico e Histórico de Minas Gerais (IEPHA MG), da Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais e do Governo de Minas Gerais.

A programação paralela contará com palestras que permitem ao público aprofundar-se nos conteúdos relacionados à exposição. O Ciclo de Palestras da mostra terá início no dia 9 de março, às 19h, com a conferência “Formas do Moderno”, proferida pela curadora Valéria Piccoli. Nela, serão abordados artistas e obras presentes na galeria, numa contextualização histórica e artística sobre o modernismo e a construção de um novo Brasil.


Serviço

Exposição “Formas do Moderno na Casa Fiat de Cultura - Coleção da Fundação Edson Queiroz”

Data: 3 de março a 8 de maio

Entrada Gratuita
 

Palestras “Formas do Moderno”

Com a curadora Valéria Piccoli

Data: 9 de março, às 19h30

Local: Espaço Multiuso da Casa Fiat de Cultura


 Informações

Agendamento de grupos e escolas: 3289-8910

Transporte gratuito (com vagas limitadas)

 
Endereço: Casa Fiat de Cultura

Circuito Cultural Praça da Liberdade

Praça da Liberdade, 10 – Funcionários – BH/MG
 
Horário de funcionamento: terça a sexta, das 10h às 21h – Sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h