O sabarense Humberto Mattarelli Carli pretende publicar um livro com a história de 1.050 personagens sagradas. Para sustentar o enredo em tamanho desafio, o segredo é a fé por Maria, a mãe de Jesus. “Maria de Todos os Nomes” é o título provisório. Na publicação, Humberto, que é graduado em medicina chinesa, conta o legado da fé representado por centenas de imagens diferentes que coleciona da santa. “Em toda China, só existem 14 igrejas católicas. Mas, de lá, eu trouxe a imagem de Nossa Senhora de Sheshan”, diz, sobre o país onde se formou.

Mas que outros nomes Maria tem? Nossa Senhora do Sorriso, Nossa Senhora do Coração de Ouro, Nossa Senhora da Angústia... Um nome para cada cultura, país, necessidade.

A história, a devoção e, muitas vezes, os desenhos destas imagens sacras existem. Mas nem todas possuem uma escultura, como no caso dos títulos que são atribuídos a ela na oração da Ladainha, que seriam: Nossa Senhora “Arca da Aliança”, Nossa Senhora “Torre de Marfim”, entre outros. “Contratamos um escultor e ele está fazendo as peças que faltam. Sou muito devoto e quero divulgar a fé em Maria”, explica Humberto.

O acervo – que o devoto sabarense começou a reunir com mais empenho há quatro anos – já possui mais de 500 imagens. “Tive um sonho com o padre Sebastião Tirino. Fui coroinha dele por 15 anos (em Sabará). No sonho, ele pediu que fosse feito um museu com todos os títulos de Nossa Senhora”.

Mesmo com o acervo ainda sendo completado, Humberto já doou as imagens para a Arquidiocese de BH. Um museu será construído para a exposição das mesmas, na Serra da Piedade. A previsão é de que o livro e o museu fiquem prontos em agosto de 2017, quando se completam os 250 anos da construção do santuário local. “

Pela fé que tenho, eu sabia que Nossa Senhora ia dar andamento em tudo”. É muita confiança, hein, doutor Humberto? “Eu chamo de fé”, diz, corrigindo a repórter.

 

Hoje em Dia

 

Museu pode ter vista panorâmica e visitação virtual

Com paredes em vidro e vista panorâmica para a beleza das montanhas mineiras. Esta é uma das ideias sugeridas pelo arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, para o Museu “Maria, Regina Mundi”, no Santuário Nossa Senhora da Piedade.

O espaço, ainda nos traços de arquitetos, deve abrigar as centenas de imagens reunidas pelo “doutor Humberto”, com referência à “rainha do mundo” – como o título do espaço pode ser traduzido do latim.

A viabilidade das sugestões do arcebispo ainda estão sendo avaliadas, avisa a assessoria de Comunicação da Arquidiocese. Porém, é fácil imaginar como a proposta é condizente, considerando-se os alucinantes 1.746 metros de altitude da serra em que o santuário foi construído.

O museu devocional será feito onde antes ficava um imóvel ocupado pela Aeronáutica. Nele, haverá também visitação virtual de santuários marianos por todo mundo, nos cinco continentes. O projeto está a cargo do arquiteto Gustavo Penna.

“Teremos também uma réplica da casa de Nazaré e a oficina de trabalho de São José”, antecipa a diretora executiva da Sociedade Civil Espírito Santo, da Arquidiocese, Cláudia Rech. Ela acompanha a execução do projeto no Santuário. A conclusão do projeto, diz Cláudia, será em breve.

No ponto mais alto do Santuário está a imagem da Nossa Senhora da Piedade, do século 18, atribuída a Aleijadinho. Além da conclusão da coleção, Humberto Mattarelli Carli tem nela outro objetivo: “No dia da inauguração do Museu, gostaria de subir em procissão, a pé, até lá”.

 

Hoje em Dia

ALVAREZ - Nesta quarta-feira (14), em BH, jornalista lança biografia "Maria". Crédito: Editora Globo/Divulgação

 

O que aconteceu com o nome de Maria ao longo do tempo?

Após contar a história da padroeira do Brasil no best-seller “Aparecida” – mais um nome entre as centenas atribuídas à mãe do Cristo – o jornalista carioca Rodrigo Alvarez chega a BH, nesta quarta-feira (14), para lançar “Maria: A Biografia da Mulher que Gerou o Homem Mais Importante da História, Viveu um Inferno, Dividiu Os Cristãos, Conquistou Meio Mundo e É Chamada de Mãe de Deus” (ambos os títulos são da Editora Globo).

O subtítulo longo e pontuado por temas densos é proporcional à relevância de Maria na história. Independentemente da fé, é difícil negar a importância da participação dela em um contexto que orientou rumos à humanidade.

E este foi o estímulo inicial do jornalista para a pesquisa. “Comecei há quatro anos e foi a partir de um interesse histórico. Ninguém pode ignorar que Maria é um símbolo de maternidade para meio mundo”, diz ao Hoje em Dia.

Alvarez encontrou registros da relevância histórica de Maria até em registros fora da Bíblia, como no Alcorão e em textos apócrifos e não-cristãos. “Fui a oito países. Procurei o que aconteceu com ela e com o nome dela ao longo do tempo”.

México, Alemanha, Turquia, Brasil... Por esses lugares, além da história, Alvarez encontrou a emoção da devoção. “Nas primeiras visitas a Aparecida, fiquei com os olhos cheios de lágrimas ao ver como a fé mudava a vida das pessoas”.

Lançamento do livro “Maria”, nesta quarta-feira (14), às 19h, na Casa Fiat de Cultura (Praça da Liberdade). Entrada gratuita.

 

Confira algumas imagens da coleção de Humberto:

 

LEGENDAS

- Nossa Senhora das Necessidades (com um jarro na mão): É venerada em Soalheira, em Portugal. É atribuído à santa a proteção da região por meio de um forte nevoeiro, que teria dificultado a invasão francesa. A devoção começou em 1685.

- Nossa Senhora do Coração de Ouro (manto lilás): Em 1932, crianças belgas teriam presenciado a aparição da santa com um coração resplandecente em ouro.

- Nossa Senhora da Piedade (com Jesus no colo): Padroeira de Minas Gerais. Uma das mais antigas adoções da imagem vem de irmandade portuguesa, que tinha por missão sepultar mortos, além de visitar e confortar encarcerados.

- Nossa Senhora do Café (adornada com sementes): A devoção surgiu em 2004, após prosperidade na região cafeeira de Espírito Santo do Pinhal (SP). Um professor da região teria desenhado a imagem com os grãos de café.

- Nossa Senhora do Sorriso (sem o véu na cabeça): Na Espanha, mulher com tristeza profunda teria sido curada após a santa aparecer e sorrir para ela.

- Nossa Senhora Mãe Augusta do Socorro (com uma lança na mão): Cópia da imagem que existe apenas na Comunidade de Socorro, em Santa Bárbara (MG).