A saída de Luiz Gabriel Lopes da banda Graveola foi anunciada há pouco mais de um mês. Mas a despedida dos palcos acontece somente nesta quinta-feira (18), quando os integrantes remanescentes se reúnem com o músico para um “último show” no Cine Theatro Brasil Vallourec. 

Apesar de ser motivada pela partida de um dos fundadores da banda, a apresentação é em tom de celebração. No palco, o Graveola faz uma ode aos 14 de anos de existência com uma setlist escolhida a dedo – inclusive pelos fãs. 

“Perguntamos o que não poderíamos deixar de tocar. E foram muitas músicas sugeridas. Então fizemos um repertório que mescla o nosso último show com o que eles pediram”, conta o baixista Bruno de Oliveira. 

Ele, que entrou para a banda em 2009, a convite de Luiz, destaca o peso do músico na história e no sucesso do grupo. “Ele foi um dos nossos compositores e cantores mais ativos. E, desde o começo, também o nosso porta-voz internacional”, conta o baixista, que credita a Luiz o retorno do Graveola à Europa, depois de uma turnê em 2010. 

Embora a importância de Luiz seja inegável, a saída dele não encerra a trajetória do grupo. Aliás, é a partir da despedida dele, vista com naturalidade pelos integrantes remanescentes, que o Graveola vê a oportunidade de se reinventar.

“É muito comum que aconteçam transformações em uma banda com tantos anos de carreira. Claro que a saída dele é muito significativa. Mas não é a primeira mudança que vivemos, e todas as outras que aconteceram serviram para criar um processo muito sadio de renovação”, diz.

E é com essa renovação em mente que a banda se prepara para a próxima empreitada. Sendo escrita desde o ano passado, quando Luiz ainda era parte do Graveola, a etapa ganha forma com o disco “Moments”, trabalho que deve ser lançado em julho e que está em processo de financiamento coletivo no site da Benfeitoria (benfeitoria.com/graveola). 

Fruto de uma imersão feita pelos integrantes da banda entre outubro e novembro de 2018, o disco deve apresentar um panorama do “novo” Graveola. “Abandonamos a polifonia e o excesso de informação e estamos fazendo um disco mais vazio e contemplativo”, diz o baixista.

Para ele, o trabalho também mostra o processo de amadurecimento da banda, o que reflete na mudança de sonoridade do grupo. “Agora tocamos os arranjos em favor da canção e não como era antes, quando a canção acontecia em favor dos arranjos”, afirma.

Mudança

A formação foi reconfigurada. “Vão acontecer mais intervenções minhas cantando como lead. A Luiza (Brina) sai da percussão, que deixa de ser usada, e assume uma posição mais à frente, passando a tocar guitarra”, adianta.

Já Luiz Gabriel Lopes segue com o trabalho solo e também com a banda Rosa Neon, projeto que reúne outros músicos relevantes da cena mineira e aposta em uma sonoridade mais pop.

SERVIÇO:
Graveola – Show de despedida Luiz Gabriel Lopes, esta quinta (18), às 20h, no Cine Theatro Brasil Vallourec (Praça 7: Rua dos Carijós, 258 – Centro). Ingressos: R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia)