Confira os planos da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo para o Palácio das Mangabeiras e outros espaços públicos do Estado, segundo Marcelo Matte, titular da pasta:  

CasaCor:
"No caso dessa modelagem para a CasaCor (a mostra será realizada, este ano, na antiga residência oficial dos governadores mineiros), estamos fazendo uma contrapartida do aluguel com a recuperação dos jardins e bens tombados, bens de importância histórica que temos dentro da casa. Tem um valor incalculável o acervo desta casa. Até os ladrilhos da piscina, as sancas, tudo está sendo recuperado de acordo com o cronograma redigido pelo Iepha (Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais), ou seja, de acordo com os tombamentos e a importância histórica de cada ativo. Será entregue um Palácio pós-CasaCor totalmente recuperado".

Eventos:
"Eventualmente, teremos eventos pagos, eventualmente privados, mas a ideia é que tenhamos uma sustentação econômica para este espaço que está sendo, a partir de agora, administrado pela Codemge (Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais), que fará a manutenção. Nos próximos seis meses, a manutenção fica por conta da CasaCor, que está ocupando com um contrato de aluguel. E os próximos eventos, se houver, serão sustentados pelo operador".

Custo zero para o Estado:
"Nesses próximos seis meses, a manutenção será da CasaCor. Depois, quando saírem, procuraremos outro operador que dê sustentação econômica ou teremos visitações gratuitas aos acervos do Estado".

Outros equipamentos públicos:
"Nosso projeto é retomar o Palácio da Liberdade como espaço semi-concessionado, ou seja um pequeno pedaço será concedido à iniciativa privada, mas preservando a parte histórica. Nós não pretendemos concessionar todo o palácio. Mas queremos ocupar uma parte concedida à iniciativa privada e teremos lá, num prazo muito curto, apresentações da banda da Polícia Militar, troca da guarda dos Dragões da Independência, despachos do senhor governador às sextas-feiras. Receberemos embaixadores e governadores de Estado e representantes de outros países sempre no Palácio da Liberdade, um lugar que guarda a memória e a história de Minas Gerais".

Palácio da Liberdade:
"Não precisará ser reformado. Está bem cuidado. Mas precisa de gestão. Vamos manter as visitas dos estudantes sempre gratuitas. Aliás, aqui (Palácio das Mangabeiras) também toda visitação de alunos de escola será gratuita. E há outros projetos sociais embutidos nesse contrato com a CasaCor. Pretendemos fazer parceria CasaCor - Tintas Coral para pintar escolas públicas estaduais com patrocínio CasaCor e dessa empresa de tintas. Enfim, há atividades filantrópicas ligadas a esse modelo também".

Privatização do Palácio da Liberdade: 
"O termo privatizar não se aplica a prédios tombados ou equipamentos culturais. Meu compromisso com o senhor governador é manter todos os equipamentos culturais do Estado, que, aliás, são criados por legislação específica, incluindo Rádio Inconfidência, Rede Minas, todos os museus, a Orquestra Filarmônica. Temos planos ousados para os nossos veículos estatais no sentido de que divulguem cultura e turismo de Minas de maneira obsessiva para alavancar a recuperação econômica do Estado".

Leia mais:

CasaCor inaugura Palácio das Mangabeiras como espaço público