Que Belo Horizonte é a capital mundial dos botecos não é segredo para ninguém. Tampouco é novidade que muitos bares guardam tira-gostos saborosos, hoje reconhecidos por concursos como o tradicional Comida di Buteco e o Botecar. 

Mas e quanto aos saborosos quitutes escondidos em mercearias de bairro, carrinhos de lanche, pastelarias, lanchonetes e botequins de esquina? É daí que surgiu a ideia do Baixa Gastronomia, blog do comunicador Nenel Neto, que neste ano se transformou em um grande circuito gastronômico, envolvendo 20 estabelecimentos das nove diferentes regionais da cidade. 

Para confraternizar e reunir num mesmo momento os participantes do circuito, acontece neste sábado (15) e domingo (16), no Vila Albertini, em Santa Tereza, o “Mexidão do Baixa”. Além de 20 barraquinhas, o evento conta com diversificada programação cultural, recheada por oito atrações de diferentes estilos. 

Nenel Neto

Nenel Neto

No sábado, o som fica por conta das bandas Zé Guiomar, Cromossomo Africano, Pequena Morte e Orquestra Mineira de Brega, além dos DJs Fael e Motoca. Já no domingo é a vez de Daparte, Choro do Jura, Manteigada, Thiago Delegado Trio e DJs Naroca e Cafa.

De acordo com Nenel, a ideia da programação cultural do “Mexidão” vai ao encontro da proposta do Circuito Baixa Gastronomia. “A programação foi pensada para ser tão diversificada quanto os 20 estabelecimentos participantes. E ela complementa muito bem os dois dias de festa, juntando música boa, comida gostosa e bebida gelada”, afirma. “É uma grande miscelânea. Vamos ter bandas de rock, samba, ska, choro, MPB, soul”, detalha. 

Pequena Morte

Diversa, a programação inclui bandas como a Pequena Morte

Popular

Para Nenel, BH é, de fato, um prato cheio para quem gosta de música simples e saborosa. “A cidade é muito rica nesta questão da gastronomia popular, porque encontramos nos bares comida caseira, afetiva, muitas vezes em que os donos colocam para vender a comida que fazem em casa. Uma carne de panela, uma moela”, descreve. “A ideia foi criar um circuito de fomento, e não um concurso, até já temos o Comida di Buteco, que faz isso muito bem. Então, abrangemos uma gama grande de participantes, misturando, sem preconceito, bar, restaurante, mercearia, pastelaria e até boteco japonês”, diz. 

O “Mexidão” acontece sábado e domingo, às 12h, na Vila Albertini (Rua Cristal, 137 – Santa Tereza). Ingressos: R$ 20 (inteira)

O organizador ressalta que o circuito, que começou em 23 de novembro, continua até o dia 23 deste mês. “A gente tem o costume de frequentar sempre os mesmos bares, perto de casa, e acabamos caindo num lugar-comum. Então, é uma oportunidade de circular, de ocupar a cidade”, sublinha, dando dicas. “Tem o bolinho da Alaíde, no Planalto; a almôndega da Mercearia do Nivaldo, no Santa Tereza; o cachorrão do Balu, na Pampulha; além de bares tradicionais como o Bolão e o Nonô. Dos 20 pratos selecionados, dez custam menos de R$ 10. Então, são opções acessíveis para todos os gostos, do clássico à novidade”, finaliza. 

Tem mais

Além do “Mexidão do Baixa”, acontece amanhã e domingo, na Barragem Santa Lúcia, a edição de Natal do Circuito Gastronômico de Favelas. O evento contará com mais de 20 receitas de pratos e petiscos a preços que variam de R$ 10 a R$ 15, todos feitos pelos cozinheiros moradores de comunidades participantes.

Além da comida, haverá apresentações musicais de nomes como Flávio Renegado, Maurício Tizumba e DJ Cateb. A entrada é mediante a doação de 1 kg de alimento e todo o lucro das vendas dos pratos será destinado aos atores gastronômicos envolvidos no projeto. 

Leia mais:

Jennifer Lopez e Will Smith quase foram protagonistas em 'Nasce Uma Estrela'

'Não fui bem sucedida', diz Gisele Bündchen sobre pedir para marido se aposentar

Depois do sucesso da 'bebê da mecha branca', outros portadores revelam como lidam com as diferenças