SÃO PAULO - Em rara entrevista, o renomado escritor de terror Stephen King, autor dos best-sellers "O Iluminado" e "Carrie, A Estranha", chamou a saga "Crepúsculo", de Stephenie Meyer, de "pornô adolescente" e disse que a série de livros "Jogos Vorazes", de Suzanne Collins, é "enfadonha" e "pouco criativa". As declarações foram dadas ao jornal britânico "The Guardian".

Aos 66 anos, o americano está prestes a lançar seu 56º romance, "Doctor Sleep", a sequência de "O Iluminado". "Os livros [da saga 'Crepúsculo'] não são sobre vampiros e lobisomens. Eles são sobre como o amor de uma garota pode tornar bom um garoto ruim", disse King, que expressou decepção com as obras.

"Eu li 'Crepúsculo' e não senti vontade de continuar. Eu li 'Jogos Vorazes' e não senti vontade de continuar. Não é como 'O Concorrente' [livro de King escrito sob o pseudônimo de Richard Bachman], que é sobre um jogo em que as pessoas são mortas e os outros assistem. Uma sátira sobre os reality shows." O autor também demonstrou insatisfação com "Cinquenta Tons de Cinza", de E. L. James, e negou que exista uma "era de ouro" atual para os livros de terror.

"Não consigo pensar em nenhum livro atual que seja comparável a 'O Exorcista'", disse, em referência ao livro de 1971 escrito por William Peter Blatty. Já com a criadora de "Harry Potter", J. K. Rowling, King foi mais gentil. Segundo ele, a estreia dela fora do mundo de seu personagem mais famoso, em "Morte Súbita", é "fabulosa". O autor chegou até mesmo a comparar o estilo de Rowling ao de outro escritor britânico, Tom Sharpe.