Não foi tempo perdido. Escrita há mais de 40 anos, “Que País É Este”, um dos maiores hinos da Legião Urbana, segue mais atual do que nunca. Aliás, não apenas esta canção: outros clássicos do grupo brasiliense como “Índios” ou “Fábrica” seguem como polaroídes nítidas de um Brasil confuso em 2018. Não à toa, os discos que abrigam este repertório (“Que País é Este? 1978/1987” e “Dois”) serão rememorados pelo guitarrista Dado Villa-Lobos e pelo baterista Marcelo Bonfá, membros da formação original da banda, em uma turnê que chega amanhã à Belo Horizonte.

Diante desta constatação, o guitarrista ressalta o poder da banda mesmo depois de mais de duas décadas da morte de seu líder, Renato Russo. “Se tem uma coisa que não mudou nesse meio tempo, são as canções. O repertório e sua força junto ao público é algo que já está instituído na cultura musical do rock brasileiro. A Legião Urbana tem esse valor inquestionável”, sublinha.

A nova empreitada completa uma trilogia iniciada em 2015, com a turnê que celebrava o primeiro álbum da banda, o homônimo “Legião Urbana”. Mas se a força das canções continua, mudaram (algumas) estações. “A gente vê hoje uma família inteira na grade do show vibrando e se emocionando. Revivemos essa experiência de outra forma, com outra compreensão, mais depurada, entendendo melhor tudo, porque lá trás a gente não entendia direito, éramos muito jovens e pouco experientes”, confessa o músico.

E para quem está na torcida para o passeio ao passado legionário continuar, o guitarrista deixa no ar uma possibilidade animadora. “O ‘Quatro Estações’ é um outro grande disco da Legião Urbana que merece atenção, mas vamos pensar sobre isso mais adiante. No momento estamos focados em trazer para o nosso público um grande show”

SERVIÇO: Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá tocam “Dois” e “Que País É Este” do Legião Urbana, amanhã no Km de Vantagens Hall ( Avenida Senhora do Carmo, 230 – São Pedro). Ingressos de R$ 40 a R$ 180