“Empurrada” à sobremesa desde a infância, Danielle Noce – uma das “youtubers” mais bombadas do país – não poderia ter outra meta que não uma vida cada vez mais... doce! E a confeiteira, que se arrisca em várias plataformas, entrega, pela segunda vez, doçuras (com jeitinho fofo, leve e divertido) aos fãs no formato livro: “A Receita da Felicidade” é a segunda investida dela no mercado editorial. Na capital mineira, a vlogueira distribui autógrafos – além de “abraço apertado, beijinhos e mordidas na orelha” – nesta quarta-feira (24), das 18h30 às 22h, na Livraria Leitura do BH Shopping.
 
Quem acompanha o trabalho de Dani no blog “I Could Kill For Dessert” ou no canal dela na web, percebe de cara que a doceira mantém, na linha do processo bioquímico de uma fruta, um grau a mais no nível de açúcar, à medida que amadurece. E é assim, “madura”, que ela define sua nova publicação.
 
Nas páginas da mais recente obra, Dani compartilha segredos de seu universo e convida os seguidores a participar de suas experiências. Tudo numa grande brincadeira que envolve, além da culinária, moda, beleza, comportamento e viagens.
 
Seguindo a linha de “Por uma vida mais doce”, primeiro livro de Danielle, o leitor vai encontrar, no segundo título da digital creator, interatividade e muita cor, além das belíssimas imagens clicadas pelo marido, Paulo, a quem ela dedica uma página repleta de declarações, enquanto conta a história do casal.
 
Avlogueira compara as publicações. “Este é bem mais moderno que o primeiro, não tem muito desenho. Quando lancei o ‘Por Uma Vida mais Doce’, era mais menina. A gente vai evoluindo, passa por vários momentos – e amadurece”, reconhece.
 
Ah, sim. O próximo título virá mais maduro ainda. Fato, ela já trabalha em uma terceira publicação – mas ainda não há datas firmadas. Argumentada sobre o tema, ela responde com aquela gargalhada típica que quem a segue já conhece, seguida por uma resposta sucinta: “Segredo”. Mas Dani não titubeia ao garantir que não se trata de uma coletânea de receitas salgadas. “Sou uma negação na cozinha salgada”, acrescenta.
 
Sem segredo na cozinha
 
Na cozinha retrô – com direito a papel de parede amarelo e flores delicadas, geladeira rosa e duas luminárias no formato de cogumelo –, Dani Noce não faz mistérios. Na verdade... “Meu segredo é passar o segredo”, sintetiza. “Quando revelo minhas receitas, quero que elas sejam as mais perfeitas possíveis também na casa de quem me assiste”, explica .

Formada pela Lenôtre, uma das escolas de confeitaria mais renomadas da gastronomia francesa, a vlogueira conta, ainda, que, após o curso, adquiriu uma condição melhor para arriscar-se mais na cozinha e criar as próprias receitas.
 
Danielle acredita que receitas devem ser passadas para frente – com o devido respeito ao direito autoral, claro. “Hoje em dia, todo mundo pega tudo de todo mundo, ainda mais o que é publicado na internet. E o faz sem dar créditos”, reclama, com justa razão.
 
Métrica e tradição
 

Vale lembrar, ainda, um diferencial da confeiteira: o trabalho com métrica. Ela insiste na receita padronizada por uma grandeza única, afinal, segundo o chef Breno Lerner, autor do prefácio do primeiro livro de Dani, “a cozinha doce é filha da química e neta da alquimia”. Não há margem para não usar valores e combinações exatas.
 
“No Brasil, não temos métrica. Nos EUA, a medida é a xícara, na Europa, são quilos, gramas, no Brasil ainda utilizamos copos e pratos que podem variar o tamanho. Com isso, as tradições culinárias acabam se perdendo”, explica. “Fica mais complicado replicar e recriar em cima dessas receitas que não são exatas”, completa.