Neil Young enfatizava que “o rock’n’roll nunca vai morrer”. E o Dia Mundial do Rock, celebrado todo dia 13 de julho – em homenagem ao Live Aid, realizado justamente nesta data, há 35 anos – faz questão de reiterar esse clichê. Mas a comemoração desta vez vem acompanhada de reflexões, derrocadas, busca por soluções e incertezas em meio à pandemia. Casas de shows de Belo Horizonte, onde várias bandas do estilo se apresentaram, vêm passando dificuldades financeiras.

Algumas delas, inclusive, estão fechando as portas. Um dos casos recentes é d’A Autêntica. No dia 15 de junho, foi anunciado nas redes sociais que a casa, localizada na região da Savassi, seria demolida.

A situação segue periclitante para outros locais. O mais recente “pedido de socorro” vem do Matriz Casa Cultural. Nesta semana, os proprietários Andrea e Edmundo divulgaram nas redes sociais um link para crowdfunding, para que as pessoas possam ajudar a manter a casa em atividade durante e pós-período pandêmico.
 
“Devido à pandemia e a crise em que o país se encontra, estamos tendo muita dificuldade em manter vivo e ativo o nosso autêntico Matriz, pois não temos aposentadorias nem fundo de reserva. Neste momento delicado, estamos recorrendo a todas as pessoas que sempre nos acompanharam de longe ou de perto e àquelas que simpatizam com o nosso trabalho, que contribuam com nosso financiamento coletivo, seja de forma financeira ou mesmo compartilhando o link”, escreveram.

Matriz

Além de shows de rock, o Matriz hospeda, desde sua fundação, em 2000, eventos de outros estilos musicais, além de exposições, mostras de cinema, teatro e dança e lançamentos de livros. Quem quiser colaborar, acesse o Instagram do Matriz Casa Cultural e saiba mais informações.

A campanha se espalhou pelas redes sociais, com várias pessoas e empresas divulgando esse apelo. Inclusive, a própria A Autêntica postou sobre o crowdfunding.

Mister Rock

Assim como nos últimos dias, o Mister Rock, outra casa de shows da capital mineira, fará uma transmissão em suas redes sociais com apresentações gravadas de artistas. Além de proliferar o rock’n’roll, a ação visa levantar fundos para a casa, que, assim como tantas outras de BH, passa por dificuldades.

Quem intenta colaborar para que o rock’n’roll não morra na cidade, confira as redes sociais das casas de show e veja como colaborar neste momento.