Juarez Moreira já perdeu a conta de quantas versões de “Baião Barroco” chegou a ouvir. “Está em todo canto, em gravações feitas por mim e outros artistas, professores e alunos, corais, orquestras de comunidades e pequenos grupos de música. Alguém brincou comigo certa vez que ela já nem me pertence mais (risos)”, diz o violonista mineiro a respeito da composição de sua autoria. Nesta quarta-feira (5), essa obra-prima não apenas ganhará mais uma roupagem, como também vai adquirir novo significado.

No Dia Nacional da Saúde, a Orquestra Sesiminas Musicoop vai lançar um videoclipe da música de Moreira, com uma homenagem a todos os profissionais de saúde. “A ideia surgiu do fato de a orquestra já ter gravado ‘Baião Barroco’ um tempo atrás e de já termos sido parceiros em apresentações várias vezes. Então, ela veio dessa parceria”, resume o violonista, exaltando o preito a pessoas que têm desempenhado um papel de suma importância neste período de pandemia. 

Orquestra

O músico aproveita a deixa para traçar um paralelo entre as origens da composição e a quarentena. “Eu ouvia de tudo, (Johann Sebastian) Bach e (Georg Friedrich) Händel. É uma música de muita espiritualidade e de cunho religioso no sentido maior da palavra. Ela traz fé, adequada neste momento”, destaca.

“Baião Barroco” contará ainda com a participação da percussionista Nara Torres (Chama o Síndico e Sagrada Profana). A peça musical abre a programação on-line “Sempre às Quartas Virtual”, nas redes da orquestra (Instagram, Facebook e canal no YouTube).

Juarez Moreira

Projetos x pandemia

Com relação a novos trabalhos, Juarez Moreira afirma haver muitos em andamento e que um deles, bastante aguardado, está 99% concretizado. “Tenho um disco pronto sobre a obra do meu grande ídolo Antonio Carlos Jobim e que vai se chamar ‘Andorinha’. Serão 30 músicas que gravei em torno do repertório dele. Está em fase de mixagem, interrompida pelo coronavírus. Quando voltar à normalidade, espero lançá-lo”, diz ele, que em 1995 já havia concebido um álbum-tributo a Jobim, “Nuvens Douradas”.

Além disso, relata que vai “gravar por agora um CD de músicas inéditas, chamado ‘Dedicatória’, a ser dedicado a pessoas, lugares e situações". 

Também está em pauta um full-length originado de shows em que o artista interpreta canções dos Beatles, assim como uma live, prevista para meados de agosto, com repertório calcado em músicas de Pixinguinha, Jobim, Lennon & McCartney, entre outros, e composições próprias. “Ainda tenho outros trabalhos, mas vou me abster de falar deles por enquanto, pois não quero atropelar o tempo nem as coisas”, finaliza.