Brian De Palma já foi chamado de herdeiro de Alfred Hitchcock, após fazer citações explícitas ao mestre do suspense em filmes como “Vestida para Matar”e “Dublê de Corpo”. Ele também mostrou ser um grande virtuose na composição de cenas emblemáticas em obras de gêneros variados, muitas delas presentes em qualquer antologia de sequências memoráveis do cinema.

Cartaz do Telecine Cult neste domingo, quando o canal de TV por assinatura celebrará os 80 anos de vida do cineasta americano (comemorados nesta sexta), “Os Intocáveis” (1987) é constantemente lembrado por uma cena eletrizante de suspense passada na escadaria de uma estação de trem, quando o agente Eliot Ness aguarda a chegada de um perigoso homem do gângster Al Capone.

“É o meu filme preferido, conheço ele de cor. Gosto não só pela direção, que é incrível, mas também pelo roteiro do David Mamet e pela música de Ennio Morricone, que faleceu recentemente. Cada cena dele é uma maravilha, como a da estação, improvisada por ele quando vetaram uma perseguição no trem para economizar no orçamento”, registra o crítico de cinema Renato Félix. 

Ele observa que um traço marcante no trabalho de Brian De Palma é a paixão em contar as histórias, especialmente em como encontrar a melhor maneira de apresentá-las. “Eu adoro como ele recorre às telas divididas, câmeras subjetivas e planos-sequência. Longe de serem mera firula, ele sempre usa esses recursos para reforçar as cenas”, analisa Félix.

De Palma também ficou marcado pela realização de planos em plongée (enquadramento de cinema para baixo), fazendo um ângulo de 90 graus. “Nisso, ele consegue momentos preciosos, como o plano-sequência sensacional na estação, em ‘O Pagamento Final’, com a câmera até descendo escada rolante”, aponta o crítico.

Fora da norma

Na homenagem do Canal Telecine, serão exibidos, além de “Os Intocáveis” (às 19h50), o terror “Carrie, a Estranha” (1976), às 15h05, e o drama policial “Scarface” (1983), às 16h55. São exemplos de um diretor que sempre se pautou por personagens que, de alguma forma, parecem fugir à norma. Opção que pôde ser percebida até mesmo num filme de ação como “Missão: Impossível”, protagonizado por um agente, vivido por Tom Cruise, que não gosta de seguir as regras.