Setenta anos recém-completos, iniciando mais uma turnê pelo Brasil e pelo exterior como um dos grandes nomes da MPB, sinônimo de músicas populares cheias de poesia. Razão de sobra para comemorar. Ou não? “Não aprendi a comemorar aniversário. Não tive esse hábito. É uma data importante, mas estou bem tranquilo comigo”, registra Djavan.

Atração do próximo sábado (6), às 22h, no Km de Vantagens Hall, o cantor alagoano admite que a pressão tem sido grande para lançar autobiografia e discos comemorativos, mas não se rende ao apelo. “(Falam) O tempo todo. Eu vou saindo fora. De minha iniciativa, não vai ter. A verdade é que fui homenageado sempre, quando outros artistas cantam a minha música”, afirma.

Não é da boca para fora. Djavan é assim, sossegado. Não por acaso, vive perto da Natureza, na cidade fluminense de Petrópolis, onde mantém um hobby de 16 anos como colecionador de orquídeas (são 850 plantas de 360 espécies diferentes), o que lhe ajuda a fugir do estresse do dia a dia. Em “Vesúvio”, espetáculo que também é o título do mais recente CD, o artista reverencia a flor.

“Tenho prazer pela Natureza, pelas plantas, pelas flores, pelos bichos, pela água. Desde pequeno, sempre tive essa ligação, que adquiri com minha mãe. No disco, fiz uma música para as orquídeas, reunindo uma série de espécies e dizendo os nomes delas em latim. Foi um desafio enorme”, revela Djavan, que cantará esta e outras canções de “Vesúvio”, além dos hits da carreira.

 

 

Política

“Vesúvio”, explica o compositor, é uma analogia à mulher poderosa e, pela força da palavra, virou o nome do disco. E, claro, pelas outras faixas, sintetiza também o turbilhão de emoções de quem presenciou o sobe e desce da política brasileira. “Nossa vida está envolvida nestas questões, que acabaram desaguando no disco. Ele fala de temas sociais, políticos, de amor e existência”.

Em janeiro, uma declaração sobre esse momento do país viralizou, ganhando acento polêmico, quando Djavan se disse esperançoso com o futuro do Brasil. “As pessoas acabam confundindo as coisas. Sempre fui esperançoso. Não sou capaz de torcer contra um governo em que não votei. Sou a favor do povo. E não vou torcer para que ele se dê mal”, salienta.

Assim como no CD, em que Djavan produz, escreve e canta todas as músicas, o show também tem a supervisão do próprio artista. “A minha carreira é assim. Trago ela na mão, de maneira que participo de tudo, dizendo sim ou não. Faço uma música muito pessoal, de modo que eu preciso estar presente em todas as decisões para marcar a minha integridade”.

SERVIÇO:
Show de lançamento do CD “Vesúvio”. Sábado (6), às 22h. No Km de Vantagens Hall (Nossa Senhora do Carmo, 220). Ingressos a partir de R$ 50.