O médico Drauzio Varella utilizou suas redes sociais na noite desta terça-feira (10) para novamente posicionar-se sobre sua conduta na reportagem apresentada por ele há duas semanas no programa Fantástico, da TV Globo, sobre as condições em que vivem as transexuais presas. Na ocasião, Drauzio apresentou o sofrimento e a solidão de uma mulher trans na cadeia. Ao final da entrevista, ele deu um abraço na detenta. Mais tarde, descobriu-se que ela estava presa por ter estuprado e matado um menino. Assista ao vídeo:

O caso vem ganhando repercussão desde que a matéria foi exibida na televisão, no primeiro domingo (1º) de março. Em um primeiro momento, parte do público que assistiu à reportagem se mobilizou para enviar cartas à detenta Suzy, que relatou sentir-se solitária e contou estar sem receber visitas há mais de 7 anos.

Dias depois, um site divulgou que a mulher estava presa pelo crime de estupro e assassianto de uma criança. Como reação, tanto Drauzio quanto a TV Globo se manifestaram sobre o caso. Em um texto, publicado em seu Instagram há dois dias, o médico declarou que frequenta presídios como médico e não como juiz, e que não pergunta o que os pacientes fizeram de errado.

 Leia abaixo, na íntegra:

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Esclarecimento do dr. Drauzio sobre a reportagem produzida e veiculada pelo Fantástico, no último domingo, 01 de Março.

Uma publicação compartilhada por Portal Drauzio Varella 👨‍⚕️ (@sitedrauziovarella) em

O texto ampliou a polêmica e, na noite desta terça, Drauzio voltou a posicionar-se sobre o assunto. Em vídeo, ele afirma que o crime pelo qual Suzy está presa "choca a todos nós" e pede desculpas à família do menino, vítima de Suzy, por ter sido involuntariamente envolvida no caso.