Numa época em que a música é cada vez mais consumida por meio das plataformas de streaming, um duo mineiro escolheu formato inusitado para lançar o EP batizado “Alteradores de Estados Emocionais”, o primeiro da carreira: as bolachas de chope. 

Com ilustrações e trechos das canções, cada bolacha (para quem não sabe, trata-se daqueles suportes para os copos) fica encarregada de uma função, simulando o formato de um disco. Em uma espécie de capa, a ilustração é a logo da banda, e um QR Code direciona ao site do duo. Nas outras cinco bolachas, cada canção vira espécie de single, ganhando uma capa e um código que direciona o ouvinte para a canção e também para um link com o EP completo.

“Pensei na ideia de criar algum tipo de memorabilia e acabei chegando nesse formato”, explica o guitarrista Alex D’Ates, que também assina as ilustrações do trabalho do Duo Alteradores. 

Na sonoridade do EP, a dupla aposta em uma nova proposição para o pop rock. “Somos uma banda com um rótulo que não existe, mas que seria uma espécie de hard pop rock. Pegamos o espectro mais agressivo do gênero e vamos um pouquinho além, acrescentando um pouco de hardcore, de metal. Envolvemos o lado mais pesado da sonoridade, mas sem chegar ao extremo”, explica. 

Nas canções, todas autorais, o duo vai de letras com teor político e existencial. “Apresentamos cenários utópicos, questões sociais, com muitas letras políticas, com proposições de alteração, como sugere o nome da banda”, diz o músico. Com inspiração no rock brasileiro dos anos 1980, a banda acredita em composições que “olhem para dentro”. “Nossas letras não têm romantismo, já tem muitas bandas que fazem isso”. 

Lançamento
Com show gratuito marcado para 13 de setembro, o duo se prepara para lançar o EP que marca uma década de trabalho. “Vamos tentar pegar um espectro grande das nossas músicas autorais ao longo desses anos. Vamos tentar variar alguns arranjos e tocar as canções do EP da forma mais próxima possível da gravação”, adianta Alex.

SERVIÇO
Duo Alteradores 13/09, às 20h no Teatro Raul Belém Machado (Rua Jauá, 80, – Alípio de Melo). Entrada gratuita.