Cinemas, casas de shows e teatros fechados, adiamentos e cancelamentos de espetáculos e espaços para exposições de arte fora de circulação... Diante deste cenário, especula-se que a paralisação dessas atividades fora do domicílio resultaria numa queda de R$ 11,1 bilhões no valor da economia da cultura brasileira em três meses de isolamento social. É o que indica uma nota técnica publicada por professores e pesquisadores da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais (Ufmg), na última sexta-feira (23).

O documento foi elaborado por Ana Flávia Machado e Débora Freire Cardoso, professoras da Faculdade de Ciências Econômicas (Face) da Federal, Rodrigo Cavalcante Michel, doutor em economia pelo Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar) da Face, Gabriel Vaz de Melo, mestre em economia também pelo Cedeplar, e Alice Demattos Guimarães, mestranda em mercados globais e criatividades locais no Erasmus Mundus e graduada em Ciências Econômicas pela Ufmg.

A nota divulgada também sugere algumas medidas a serem tomadas para impedir essa catástrofe para a economia brasileira, que viriam do Governo Federal, dos Estados e das prefeituras municipais.

Confira a nota completa neste link.

Ufmg

Ana Flávia Machado é uma das pesquisadoras do estudo feito pela UFMG